Arquivo da categoria: Vasco

O triunfo do Trem Bala da Colina

Falo hoje da final da Copa do Brasil de 2011.

Depois de oito anos, o Vasco da Gama finalmente conseguiu voltar a conquistar um título (vamos combinar que por mais importante que tenha sido para o renascimento do Vasco, série B não é título).

E aproveitando o assunto série B, já entro diretamente na final da Copa do Brasil. Os finalistas, Vasco e Coritiba, são os últimos vencedores da série B, o Vasco em 2009 e o Coritiba em 2010. Isso mostra que ultimamente o futebol brasileiro vai se tornando cada vez mais equilibrado. Times que caem para a série B e sabem se organizar, fazer um planejamento e voltar para a elite do futebol (o caso de Vasco e Coritiba) voltam mais fortes. Não quero dizer com isso que a queda para a série B seja uma solução, como pensam muitos. O caso mais comum que aconteceu com tantos outros times é uma queda para série B e a permanância por lá, ou então até mesmo a queda para a série C.

Mas o assunto hoje é Copa do Brasil. Com méritos Vasco e Coritiba chegaram até a final. O Coritiba tendo seu ponto alto na goleada por 6 x0 sobre o Palmeiras nas semi-finais. A equipe paranaense não tem nenhum craque, nenhum nome de peso, mas um elenco bem compacto e que pode brigar no Brasileirão. Já o Vasco foi chegando de mansinho, fazendo bons resultados fora de casa e surpreendendo a muitos.

No primeiro jogo da final, o magro 1 x 0, gol de Alecsandro acabou fazendo a diferença.

Porque no jogo de volta, ontem, no Couto Pereira, o 3 x 2 para o Coritiba deu o título ao Vasco. Mas o jogo de ontem merece destaque. Se o nível técnico não foi dos melhores, quando o assunto foram as emoções, não faltaram. O gol do Vasco logo no início poderia fazer com que muitos pensassem que o jogo já tinha dono, mas o Coritiba reagiu e virou o jogo ainda no primeiro tempo. Faltava um gol. Na volta para o segundo tempo o jogo continuou brigado e num frango do goleiro Edson Bastos, Eder Luis fez o segundo gol cruzmaltino, dando tranquilidade para os cariocas novamente.

Tranquilidade essa que foi retirada num chutaço do volante Willian. 3 x 2 Coritiba com 22 minutos do segundo tempo. Mais um gol e o título ficaria no Paraná. O jogo continuou com muita emoção, com o Coritiba pressionando a todo instante, porém a defesa vascaína se segurou como deu e garantiu a primeira Copa do Brasil da história do Vasco.

Desde o Carioca de 2003 que o clube de Alecsandro, Felipe, Diego Souza, Dedé, Eder Luis e cia. não ganhava um título sequer. Volto a dizer isso porque nesses oito anos as zoações pra cima dos vascaínos não foram poucas, falo isso com autoridade pois sou flamenguista. A síndrome de vice perseguia o Vasco e parecia não querer ir embora nunca. Enfim foi com o título de ontem. Com mérito e determinação o Vasco sai da fila e garante vaga na Libertadores 2012. Com a volta de Juninho Pernambucano e a permanência desse elenco campeão, as expectativas são boas.

Mas, como bom flamenguista que sou, não posso deixar de dar aquela zoadinha de leve, escutei hoje de um vascaíno que o seu clube vinha sofrendo bullying pelos vices e mais vices, continuo o bullying dizendo que se Petkovic jogasse com a camisa do Coritiba ontem a história poderia ter sido diferente. E que se continuar no ritmo que está, o próximo título do Vasco virá em 2019.

Zoações a parte, o título é do Vasco. A primeira Copa do Brasil do Trem Bala da Colina.

Le Rouge et Le Noir #05

O post de hoje, quinto da série Le Rouge et Le Noir, não poderia falar de outra coisa que não o 32º título carioca da história do Flamengo (o quinto de maneira invicta).

Depois de vencer a Taça Guanabara, o Flamengo venceu também a Taça Rio e, unificando os dois títulos, sagrou-se campeão carioca com antecedência.

A final ontem foi contra o Vasco e botou em jogos dois tabus que já são muito grandes: a síndrome de vice do Vasco para o Flamengo e a invencibilidade rubro-negra em decisões por pênaltis, nenhum dos tabus foi quebrado e o Flamengo ficou com a taça.

Nos 90 minutos nada de muito interessante, foi um jogo sem um nível técnico muito bom. Pelo lado do Vasco muita defesa e marcação em uma ou outra chegada perigosa, Felipe assustou num chute de fora da área e o zagueiro Dedé, de cabeça, por pouco também não fez o gol.

Pelo lado do Flamengo a volta de Ronaldinho, uma falta cobrada pelo camisa 10 no começo do segundo tempo foi talvez o grande lance do Flamengo no jogo, Fernando Prass fez grande defesa. Outro bom momento também foi a triangulação entre Ronaldinho, Thiago Neves, Deivid e Bottinelli, ainda no primeiro tempo, a bola foi de pé em pé e sobrou com o argentino que finalizou bem e obrigou Fernando Prass a fazer outra boa defesa.

Fora isso muita correria e marcação forte dos dois lados, um jogo bem truncado, no fim Allan e Willians se desentenderam e ainda foram expulsos.

O 0 x 0 no placar levou a decisão do título para os pênaltis. Sem querer deixar o lado torcedor falar mais alto, mas acredito que a resposta para a indagação do goleiro Felipe (não sei se foi respeito ou medo) é medo.

Em qualquer decisão por pênaltis é lógico que os treinamentos e a condição física são de extrema importância, porém o fator psicológico também é tão ou até mais importante nesses momentos.

Os jogadores rubro-negros foram para as cobranças determinados, sem medo e sem muito a perder, afinal, se por acaso perdessem o título da Taça Rio ainda teriam mais dois jogos para buscar o título carioca.

Já os cruzmaltinos não. Foram pra bola com uma pressão enorme em cima deles, precisando vencer pra forçar a decisão, com a síndrome de vice ecoando da arquibancada e com um goleiro chamado Felipe como seu adversário. Dava pra perceber na fisionomia dos caras que eles não estavam seguros com tudo isso pesando, e na tentativa de tirar a bola do goleiro Felipe ou chutaram no canto demais (Felipe Bastos e Elton) ou chutaram alto demais (Bernardo).

Isso tudo não deixa de ser mérito do Flamengo, que conquistou essa “fama” toda em disputas de pênaltis anteriores, quem tenta desmerecer esse título é um utópico, por mais que o time ainda esteja se formando e realmente não tenha apresentado um futebol encantador até agora a superioridade do Flamengo dentro do Rio de Janeiro é incontestável. Nos últimos 5 anos foram 4 títulos e um vice-campeonato.

Porém não se pode pensar também que essa superioridade toda valha muita coisa. O Flamengo é grande demais pra se contentar com títulos cariocas e é por isso que agora é hora de focar de vez na Copa do Brasil em busca de mais um título e da vaga na Taça Libertadores 2012.

Apesar de alguns jogos entediantes e de alguns empates duvidosos o Flamengo é campeão carioca invicto e continua invicto na temporada 2011 como um todo, não tem do que reclamar, nas decisões até agora mostrou que tem time e venceu. O primeiro momento da temporada 2011 se encerra. Vem agora a reta final da Copa do Brasil e o Brasileirão. Vai pra cima deles Mengo!

Copa do Brasil 2010

Seguindo no ritmo do preview da Libertadores, e repetindo o ano passado, falo agora da Copa do Brasil 2010.
A competição, que reune 64 times, tem como grande atrataivo, além do título, é claro, a vaga garantida na Copa Libertadores do ano seguinte.
Esse ano conta com treze times estreantes e alguns dos grandes clubes brasileiros também.
Escolhi meus cinco favoritos e vou falar um pouco de cada um deles, no fim da
competição a gente vê se os meus palpites vão dar certo:
Atlético (MG)

O Galo mineiro definitivamente não começou bem a temporada, o futebol apresentado até agora no Campeonato Mineiro não deve ter convencido a torcida atleticana, mas as expectativas criadas para essa temporada são enormes.
Após a chegada de Vanderlei Luxemburgo para o comando técnico do Galo muita coisa mudou, e o horrível fim de 2009 parece ter ficado para trás também.
Com Luxemburgo vieram vários reforços, dentre eles a dupla de zaga estrangeira que, se bem entrosada, deverá ser um dos pontos fortes do Galo: o equatoriano Jairo Campos e o paraguaio Cáceres. Além deles vieram também o lateral-esquerdo Leandro, velho conhecido de Luxemburgo e para o ataque o bom Muriqui e o folclórico Obina.
Devido a tudo isso o time ainda está em formação, na busca da formação ideal, mas mesmo assim entra como favorito, pois além de contar com a força de sua torcida tem um elenco forte quando se fala de Copa do Brasil.
Vale lembrar também que o principal jogador do Galo na temporada passada permaneceu na equipe. A torcida espera ansiosa por mais ra-ta-ta-tas de Diego Tardelli.
A estreia do Atlético-MG será no dia 24, contra o Juventus do Acre.
Grêmio (RS)

O Tricolor gaúcho, depois de um ano com uma boa Libertadores (apesar da eliminação para o Cruzeiro, em pleno Olímpico) e com um Brasileirão ruim (apenas uma vitória fora de casa em toda a competição) vem bastante mudado para 2010, e mais forte na minha opinião.
Silas chega para ser o treinador. Depois de um ótimo trabalho pelo Avaí na temporada passada, levando o desacreditado time catarinense às primeiras colocações do Brasileirão, o técnico ganhou moral e chega ao Grêmio com maiores responsabilidades também.
Chegaram várias contratações, dentre todas quem mais se destaca até agora é o atacante Borges. Além deles o torcedor gremista também tem muitas esperanças no recém contratado Douglas, bom camisa 10, e em Hugo, de volta ao Olímpico.
Assim como o Atlético-MG, o Grêmio ainda é uma equipe que busca a formação ideal e por isso não teve um início de ano dos melhores, uma derrota no GreNal é algo que sempre abala o time tricolor.
Mas o elenco não é fraco e vale lembrar sempre: o Grêmio é copeiro!
A estreia é amanhã, no Mato Grosso, contra o Araguaia.
Palmeiras (SP)
O alviverde paulista este muito, mas muito perto mesmo da vaga para a Libertadores deste, mas deixou escapar na reta final do Brasileirão, onde nada parecia dar certo para a equipe de Muricy Ramalho.
Por essas e outras o Palmeiras entra na busca pelo título da Copa do Brasil.
Muitas mudanças foram feitas da temporada passada pra cá, poucos reforços chegaram e o começo de temporada também não foi muito bom. Tudo isso tenta ser esquecido por Muricy e seus comandados.
Que apesar de ainda não estarem jogando bem, possuem dois jogadores que fazem a diferença e quando jogam bem sempre trazem bons resultados para o Palmeiras. São eles Diego Souza e Cleiton Xavier, a permanência de ambos é algo a se ressaltar, mas vale lembrar também que fora isso o Palmeiras não tem grandes destaques individuais, salvo o experiente Marcos.
A estreia também é amanhã, no Piauí, contra o Flamengo local.
Santos (SP)

A equipe alvinegra que vinha de duas temporadas bem abaixo da expectativa, sendo um mero figurante no Campeonato Brasileiro, reencontrou o bom futebol, unindo peças que já estavam no time mas não vinham rendendo, a bons reforços e a um ótimo treinador: Dorival Júnior.
Mas a grande arma santista é Robinho. O jogador, que surgiu de uma maneira extraordinária no próprio Santos e não vinha funcionando no Manchesetr City decidiu voltar à Vila Belmiro e logo na sua reestreia, no clássico contra o São Paulo no último domingo, já deixou um golaço de letra, mostrando que não veio pra brincadeira.
Além dele, a jovem e promissora dupla Neymar e Paulo Henrique Ganso também tem apresentado um ótimo futebol. E pra quem pensa que o Santos é só poder ofensivo é bom lembrar que a experiente zaga seja talvez um dos outros pontos fortes da equipe, Edu Dracena e Durval dão enorme segurança ao jovem e inconstante goleiro Felipe.
A estreia do Santos na Copa do Brasil será dia 24, contra o Naviraiense, no Mato Grosso do Sul.
Vasco (RJ)

Ressucistado. Acho que essa é a palavra que melhor define esse Vasco de começo de temporada. Depois de disputar a Segundona em 2009 e subir bem para a Primeira Divisão a equipe cruzmaltina manteve a base campeã, mas também modificou algumas coisas.
Dorival Júnior acabou saindo para o Santos e quem veio para o comando técnico foi Vágner Mancini. Além dele várias contratações também chegaram. A de maior impacto foi o atacante Dodô.
E o começo de temporada foi arrasador, ainda invicto nesse ano o ponto alto que chamou mais atenção de todos foi a humilhante goleada pra cima do Botafogo por 6 x 0, jogo em que Dodô meteu três gols.
Mas além desse ataque positivo, que tem Dodô, o jovem Phillipe Coutinho e Carlos Alberto como peças principais, o Vasco também tem um setor de meio-de-campo, que auxilia tanto a defesa, comandada pelo bom goleiro Fernando Prass, como o ataque.
São os vários os volantes que disputam posição e jogam bem: Souza, Nilton, Léo Gago, Rafael Carioca. A Copa do Brasil é uma prova de fogo para esse Vasco que começou muito bem a temporada provar se Dodô é mesmo o poder.
A estreia é amanhã contra o Souza da Paraíba.
Agora é esperar pra ver, a Copa do Brasil começa amanhã, dia 10 e a disputa pelo título e pela consequente vaga na Libertadores tem tudo pra ser muito interessante.
Vale lembrar também que nas duas primeiras fases vitória do visitante por dois gols ou mais eliminam o jogo de volta.