Arquivo da categoria: Sawubona

Sawubona #05

Bem, hoje é o dia do último Sawubona. Afinal, no mês que vem a tão esperada Copa do Mundo da África já vai começar e aí ao invés dos Sawubonas entrarei com posts mais específicos sobre os jogos que forem rolando.
E pra fechar a série, depois de falar sobre os estádios, os times africanos e alguns dos principais concorrentes da Seleção Brasileira, como Itália, Portugal e Alemanha, falo hoje da nossa seleção, com enfoque maior na convocação definitiva de Dunga feita hoje mais cedo.
Uma pequena análise posição por posição, vale lembrar que eu não sou nenhum grande especialista e vou apenas dar a minha opinião.
GOLEIROS
Júlio César (Inter de Milão)
Gomes (Tottenham)
Doni (Roma)
Bom, é indiscutível a titularidade de Júlio César, terceiro goleiro da Seleção na Copa da Alemanha, ele evoluiu muito nos últimos 4 anos, tornou-se uma das principais peças da Inter de Milão e também fez atuações sólidas com a camisa da Seleção, é hoje um dos melhores goleiros do mundo, se não o melhor.
Já as convocações de Gomes e Doni, ao meu ver são muito questionáveis, pouco utilizados na Seleção (até porque Júlio não deu brechas para isso), ambos são bons goleiros, mas não se encaixam naquele perfil clássico de goleiro reserva pra Copa do Mundo, o ideal é um goleiro muito experiente para ajudar o grupo e um bem mais jovem para já se preparar para a Copa seguinte, nenhum dos dois são muitos jovens nem muito experientes, dificilmente algum
deles aparecerá na Copa de 2014 e enquanto Doni é reserva da Roma, Gomes joga pelo Tottenham, que convenhamos, apesar do bom momento não é lá um grande time. Acredito que dentro do futebol brasileiro existem melhores nomes como Victor do Grêmio e Fábio do Cruzeiro.
LATERAIS
Maicon (Inter de Milão)
Daniel Alves (Barcelona)
Michel Bastos (Lyon)
Gilberto (Cruzeiro)
Dos 4, apenas Gilberto disputou a Copa de 2006.
Pela direita Maicon e Daniel Alves são pra mim um dos pontos mais fortes dessa Seleção. Tanto defensiva quanto ofensivamente ambos são muito bons e viveram ótimos momentos nesses últimos quatro ano dentro e fora da Seleção, a versatilidade de Daniel de também jogar pelo meio é interessante.
Já na esquerda, talvez a posição mais testada e a que menos se chegou a uma conclusão, Dunga levou dois jogadores que já não atuam mais como laterais em seus clubes, tanto Michel Bastos no Lyon quanto Gilberto no Cruzeiro são meio-campistas que não se preocupam tanto defensivamente. A habilidade de Michel e a experiência de Gilberto, aliadas à falta de nomes para a posição acabaram levando ambos para a Copa, acredito ter sido uma boa escolha de
Dunga, embora pense que se Filipe Luís do La Coruña não tivesse se lesionado com tanta gravidade no início do ano uma das vagas deveria ser dele.
ZAGUEIROS
Lúcio (Inter de Milão)
Juan (Roma)
Luisão (Benfica)
Thiago Silva (Milan)
Em relação à Copa de 2006 apenas uma mudança: Thiago Silva no lugar de Cris.
Realmente não tinha muito o que mexer nessa zaga, a dupla Lúcio e Juan foi o grande destaque da Seleção na fraca campanha na Copa da Alemanha e mantiveram o bom futebol nos anos seguintes, o que incomoda são as constantes lesões de Juan, por isso a necessidade de bons reservas.
Luisão já tem experiência e não vem comprometendo no Benfica, já Thiago Silva é uma aposta de Dunga, uma das melhores na minha opinião, depois de ótimas apresentações no Fluminense em 2008 e 2009 ele chegou ao Milan e já vai ganhando seu espaço no rubro-negro da velha Bota. Não vejo o que contestar em relação à zaga escolhida por Dunga.
MEIO-CAMPISTAS
Felipe Melo (Juventus)
Gilberto Silva (Panathinaikos)
Josué (Wolfsburg)
Elano (Galatasaray)
Ramires (Benfica)
Kléberson (Flamengo)
Júlio Baptista (Roma)
Kaká (Real Madrid)
Muitas mudanças em relação a última Copa, permanecem apenas Gilberto Silva e Kaká.
No ataque as contestações à Dunga pioram mas aqui no meio campo muita coisa já não é tolerada por grande parte da toricda brasileira.
Felipe Melo foi um achado de Dunga e é mais uma de suas apostas, é inegável que fez boas partidas e não foi atoa que a Juventus o trouxe da Fiorentina, acredito que merece sim a vaga, mas jogando por Flamengo, Cruzeiro e Grêmio não fez nada de extraordinário.
Gilberto Silva vai a Copa definitivamente por sua experiência, todos sabem que o seu futebol não é o mesmo dos tempos de Atlético/MG e Arsenal, é questionável sua convocação, pra mim uma melhor escolha para a posição seria Lucas do Liverpool.
Josué é mais uma das apostas de Dunga, e considero essa uma aposta muito infeliz! Pra ser sincero não acompanho o futebol dele na Alemanha, mas pela Seleção não vi nada de execpcional, o futebol dele me parece muito burocrático, não combina em nada com Seleção Brasileira. São volantes até demais, por que não arriscar e dar mais uma chance pra Ronaldinho Gaúcho?
Elano é um homem de confiança de Dunga, o interessante é sua versatilidade, pode ser muito útil dentro de uma Copa do Mundo, merece a vaga pelas boas aparições com a amarelinha nesses últimos 4 anos.
Ramires jogou muita bola em sua passagem pelo Cruzeiro e acabou sendo convocado somente quando já estava indo para o Benfica, no clube português vem ganhando espaço e fazendo jus à vaga, mas o grande mérito de Ramires foi a Copa das Confederações, ele foi um dos maiores destaques do Brasil nessa competição e ali cravou sua vaga para a Copa. Justa e merecida.
Kléberson é outro nome muito contestado. Na Copa de 2002 foi fundamental, depois passou por períodos ruins na Europa atuando (tentando) no Manchester e no inexpressivo Besiktas da Turquia. Voltou para o Flamengo no fim de 2007 e jogou muita bola até 2009, quando sofreu uma contusão jogando pela Seleção e só voltou aos gramados em 2010. Nesse ano é evidente que o camisa 15 do Flamengo não jogou nada, mas seu histórico pesa nesse momento e a bola
que ele enfiou para Vagner Love marcar o gol da classificação rubro-negra às quartas da Libertadores também, acho válida sua convocação.
Júlio Baptista ganhou muita confiança de Dunga, principalmente pela Copa América de 2007, tem muita força física e também joga em várias posições, mas acho que Elano já é o suficiente para isso, a convocação de Júlio talvez não tão contestada por muitos, pro mim é. Não acho que ele deveria ir à África, pra mim nessa hora era a vez de Dunga surpreender e levar o tão pedido Ganso. O moleque do Santos vive um ótimo momento e é um camisa 10 legítimo, coisa que essa Seleção não tem.
Kaká é o craque do time. Indiscutível a convocação dele, merece muito ir e ser o “dono” dessa Seleção. Só o que incomoda é o seu passado recente, jogando pelo Real ele não conseguiu mostrar o seu irresistível futebol da época de Milan, porém acredito que ele tem plenas condições de modificar isso.
ATACANTES
Robinho (Santos)
Luís Fabiano (Sevilla)
Nilmar (Villareal)
Grafite (Wolfsburg)
O único remanescente da Copa de 2006 é Robinho. Ele foi talvez o grande nome da Era Dunga até 2009, depois de se transferir para o Manchester City não conseguiu mostrar seu bom futebol e então no começo de 2010 resolveu voltar para o Santos, uma decisão muito bem feita pois no Alvinegro da Vila, Robinho voltou a jogar bem e ao lado de Neymar, Ganso e cia. vem fazendo um primeiro semestre quase perfeito, merece ir à África e melhorar a imagem ruim que ficou em 2006.
Luís Fabiano é outra decisão quase incontestável de Dunga. Ele cresceu muito nesses últimos 4 anos, tanto no Sevilla quanto na Seleção, fez muitos gols e gols importantes, artilheiro da Copa das Confederações e homem de confiança de Dunga.
Nilmar teve um período parecido com o de Robinho onde não conseguiu demonstrar seu bom futebol jogando na Europa, voltou ao Internacional e conseguiu recuperar sua vaga na Seleção, no final do ano passado transferiu-se para o Villareal e continuou bem lá, fez muitos gols nos últimos jogos pela Seleção e garantiu sua merecida vaga.
Grafite foi a grande surpresa de Dunga. Sim, ele vem fazendo muitos gols pelo Wolfsburg e desde a época de Goiás já era um centroavante muito bom, tem seus méritos. Mas o Brasil conta com nomes infinitamente superiores na minha opinião e digo mais, a não-convocação de Adriano foi mais por mídia do que pelo futebol apresentado.
Adriano não vem jogando bem pelo Flamengo nesses últimos meses, mas foi essencial para o conquista do Brasileirão 2009 e também vinha correspondendo com a camisa da Seleção, ele é matador, muito forte fisicamente e pode decidir um jogo a qualquer momento, coisa que Grafite não faz sempre.
Parece que a parte podre da mídia esportiva conseguiu o que queria. Adriano errou muito e seus próprios erros também o tiraram da Copa, mas toda essa pressão negativa da imprensa foram essenciais na minha opinião.
Discordando em algumas posições concordando plenamente em outras, essa é a minha análise da convocação de Dunga, agora é esperar começar a Copa de vez, faltam apenas 30 dias, o Un Quimera estará muito ativo nessa Copa do Mundo.

Sawubona #04

O Sawubona do mês de abril fala dos defensores do título mundial, os tetracampeões do mundo, a Azzurra!
Sem muito alarde, a Seleção Italiana, comandada por Marcello Lippi chegou à Copa de 2006, terminou a primeira fase como primeira colocada de um grupo que não era assim tão fácil: Gana, Estados Unidos e República Tcheca.
Nas Oitavas uma vitória magra sobre a Austrália, que gerou certa polêmica levou os italianos para o confronto contra a Ucrânia nas Quartas. Vitória por 3 x 0 que deu moral para o duelo contra os anfitriões na semi-final.
Semi-final essa que foi até a prorrogação depois de um empate por 0 x 0 no tempo normal, mas com gols do lateral Fabio Grosso e Del Piero, a Itália venceu na prorrogação e chegou a Final.
Na Final o adversário era a França, outro jogo muito truncado que foi até as penalidades e com todos os cobradores italianos convertendo suas cobranças a Itália sagrou-se tetracampeã mundial. O jogo ficou marcado também pela famosa cabeçada de Zidane em Materazzi.
Após o título a Itália fez uma boa campanha nas Eliminatórias. Com 7 vitórias e 3 empates a Azzurra terminou em primeiro lugar no seu grupo e se classificou diretamente para a Copa da África.
Mas a campanha italiana na Copa das Confederações não agradou muito, um revés de 3 x 0 para o Brasil foi massacrante, eliminou os italianos da competição e fez com que Marcello Lippi voltasse ao comando da Azzurra. Um tanto quanto renovada em relação a Seleção campeã mundial.
O grupo não é dos mais difíceis, conta com Paraguai, Nova Zelândia e Eslováquia. A Itália já entra pensando no adeversário das Oitavas, que virá do equilibrado Grupo E.
Enfim, nem tão bem e nem tão mal a Itália chega a Copa da África com plenas condições de buscar o Penta, o time não conta com nenhum gênio, mas tem jogadores experientes e jovens promessas além é claro da já conhecida tradição italiana em Copas do Mundo.

Sawubona #03

O Sawubona do mês de março fala de uma curiosidade interessante; um tabu que foi quebrado.
Desde 1986 que todas as seleções europeias que terminavam a Copa em 3º ou 4º lugares ficavam de fora da Copa seguinte.
Aconteceu com a França (3º em 1986 e fora da Copa de 1990), Inglaterra (4º em 1990 e fora da Copa de 1994), Suécia (3º em 1994 e fora da Copa de 1998), Holanda (4º em 1998 e fora da Copa de 2002) e Turquia (3º em 2002 e fora da Copa de 2006).
Em 2006, a disputa do terceiro lugar foi entre Portugal e Alemanha (vitória alemã por 3 x 1) e ambos estarão na África do Sul em 2010.
E é interessante falar um pouco sobre estas duas seleções, que apesar de não viverem bons momentos podem surpreender, a Alemanha por toda a tradição em Copas e Portugal por contar com bons valores individuais e por ter crescido muito na última década (quando o assunto é futebol).
A seleção alemã conta com grande maioria do elenco atuando dentro do país, a base da equipe da Copa de 2006 do meio para a frente foi mantida, a defesa sofreu consideráveis modificações, tanto no gol quanto na zaga.
O meio continua comandado por Ballack e Schwensteiger e na frente Mario Gomez e Miroslav Klose, parceiros de Bayern de Munique são as grandes esperanças. Klose tem um ótimo histórico em Copas do Mundo.
O que preocupa é a fase recente, o amistoso contra a Argentina, dentro de casa trouxe um gosto amargo de derrota por 1 x 0 e deixou muitas dúvidas sobre a Seleção Alemã.
Em um grupo relativamente fácil, com Gana, Austrália e Sérvia, a classificação não deverá ser muito difícil, resta ver o progresso durante o restante da competição.
Já Portugal não conta com a mesma tradição alemã, mas retrospecto recente é animador.
Com boas campanhas nas duas últimas Eurocopas e na última Copa do Mundo a Seleção Portuguesa foi crescendo mas com a saída de Felipão em 2008, após a derrota na Eurocopa para a mesma Alemanha que havia vencido os Patrícios na Copa de 2006, Portugal deu uma caída.
A suadíssima classificação nas Eliminatórias é um reflexo disso e outro ponto negativo para Portugal na Copa da África é o grupo.
Com Coreia do Norte, Costa do Marfim e Brasil a briga promete ser boa, com exceção da Coreia do Norte que não deve brigar por nada, as outras três seleções devem protagonizar grandes jogos. Claro, espera-se o Brasil classificado em 1º lugar, mas e o segundo?
É dever de Raul Meireles, Nani, Liedson e do principal astro Cristiano Ronaldo levar Portugal mais além mais uma vez. A seleção foi bem modificada de 2006 pra cá.
Sawubona volta no mês que vem e a Copa vai chegando também.

Sawubona #02

No segundo post da série Sawubona, falo dos “anfitriões” da Copa de 2010.
Não considero apenas os bafana-bafana como os anfitriões, mas sim todas as seleções africanas que participarão da Copa.
Como nunca antes na história uma Copa do Mundo de futebol foi realizada no continente africano não dá pra saber exatamente o quão longe poderão chegar as equipes africanas na competição.
O que dá pra ter certeza é que de uns 20 anos pra cá o futebol africano cresceu muito e teve seus bons momentos, o Camarões de Roger Milla, a Nigéria de Kanu e atualmente a Costa do Marfim de Drogba são seleções que podem até não ter grandes conquistas mas sempre dão muito trabalho.
Uma pequena análise de cada um dos africanos:
África do Sul
Os donos da casa além do verde e amarelo na camisa tem muito mais de Brasil
nessa Copa do Mundo.
Foram treinados por dois técnicos brasileiros de 2006 pra cá. Primeiro Carlos Alberto Parreira que treinou os bafana-bafana até meados de 2008 e decidiu dar um tempo ele mesmo indicou Joel Santana para o seu lugar.
O novo treinador durante o período a frente da seleção da África do Sul ficou famoso pelo seu inglês, mas além disso também fez uma boa Copa das Confederações levando a sua seleção até as semi-finais da competição, a derrota foi justamente para o Brasil, 1 x 0, belíssima cobrança de falta de Daniel Alves nos últimos minutos de jogo.
Depois disso Joel não conseguiu bons resultados, a pressão pra cima dele ficou muito grande e ele acabou sendo demitido. Para seu lugar de novo Parreira.
O treinador campeão mundial em 94 tem a responsabilidade de treinar os donos da casa e apesar do mando de campo não é uma missão das mais fáceis.
O time sul-africano nunca teve muita tradição e atualmente conta um plantel esforçado mas sem grandes destaques individuais, o maior deles talvez seja o meio-campista Pienaar, do Everton da Inglaterra.
E além disso o grupo da África do Sul também não é dos mais fáceis. Conta com Uruguai, México e França. Dois campeõies mundiais e uma seleção que sempre incomoda.
Argélia
As Raposas do Deserto, como são chamados os jogadores argelinos, são uma grande surpresa.
A última participação em Copas do Mundo foi em 1986 (enfrentou o Brasil inclusive), de lá pra cá o futebol argelino pouco conseguiu e até quatro anos atrás era uma das seleções mais fracas da África.
Do nada o time cresceu e muito e nas eliminatórias para a Copa tirou a seleção do Egito, atual campeã africana.
A festa foi grande e as expectativas para a Copa do Mundo são expectativas de um franco-atirador. Ainda mais depois da eliminação nas semi-finais da Copa das Nações Africanas desse ano para o Egito, por 4 x 0.
Em um grupo que conta com Inglaterra, Estados Unidos e Eslovênia, as chances de classificação são mínimas.
Camarões
A seleção camaronesa talvez seja a de mais tradição dentre todas as do futebol africano.
Muito dessa história se deve a Roger Milla e a seleção da Copa de 1990. De lá pra cá os Leões Indomáveis tiveram muitos altos e baixos e depois de ficarem de fora do mundial da Alemanha vão pra África do Sul querendo algo mais do que a primeira fase.
O principal destaque é Samuel Eto’o, o atacante da Internazionale que fez história no Barcelona, além dele nomes como Alexandre Song, Makoun e Kameni formam a base dessa seleção.
O grupo não é dos mais fáceis, na minha opinião aliás é o chamado grupo da morte: Japão, Dinamarca e Holanda.
Muito se esperou de Camarões na Copa das Nações Africanas, mas a seleção de Eto’o caiu nas quartas de final para o campeão Egito, na Copa do Mundo a esperança é de que não aconteça outra decepção.
Costa do Marfim
A Costa do Marfim é considerada por muitos a maior força do futebol africano atualmente.
Apesar de também ter decepcionado na Copa das Nações Africanas, perdendo nas quartas de final para a Argélia, as expectativas para a Copa são as melhores possíveis.
É nítida a evolução do futebol marfinense de uns oito anos pra cá. A classificação e o bom futebol mostrado na Copa de 2006, fizeram dos marfinenses uma das sensações daquela Copa, o time de Drogba no entanto não passou da primeira fase.
O perigo de isso acontecer de novo na África do Sul é grande, mais uma vez os marfinenses não deram sorte no grupo, Coreia do Norte, Portugal e Brasil compõem o grupo, e a briga promete ser boa.
Didier Drogba, maior artilheiro da história de seu país é a principal arma, porém dentre todas as seleções africanas classificadas para a Copa do Mundo, a Costa do Marfim é a que possui o elenco mais qualificado: Boka, Eboué, Yaya Touré, Kalou, dentre outros fazem parte dessa seleção que deve dar muito trabalho.
Gana
A seleção de Gana, depois de boa participação na Copa de 2006, sendo eliminada pelo Brasil nas oitavas de final vem com moral para a Copa de 2010.
O grupo não é dos mais difíceis, conta com Alemanha, Austrália e Sérvia. Uma nova classificação é muito esperada, ainda mais depois do bom desempenho na Copa das Nações Africanas.
Sem muito alarde os Estrelas Negras eliminaram os donos da casa (Angola) e também a Nigéria, conquistando o vice-campeonato após uma derrota de 1 x 0 para o Egito na final.
Michael Essien, meio-campista do Chelsea é o principal jogador da seleção de Gana que conta também com Appiah, Muntari e Asamoah Gyan.
É interessante também citar o ótimo desempenho ganês nos últimos mundiais sub-17, é a atual campeã inclusive, após vitória nos pênaltis pra cima do Brasil na final realizada no ano passado, sinal de continuidade e renovação para as próximas Copas do Mundo.
Nigéria
A seleção nigeriana ficou famosa na década de 90, principalmente por ter eliminado o Brasil das Olímpiadas de Atlanta em 96.
Nessas Olímpiadas surgiu para o mundo Nwanwanko Kanu, o grande jogador nigeriano de todos os tempos.
Na primeira década do Século XXI o desempenho do futebol nigeriano caiu muito, não conseguindo nem se classificar para a Copa do Mundo de 2006.
De volta agora a Copa, a Nigéria, dentre todos os países africanos talvez tenha sido o que deu mais sorte na hora do sorteio dos grupos, ao lado de Argentina, Coreia do Sul e Grécia, a exepectativa é a classificação para as oitavas de final.
Depois de um terceiro lugar na Copa das Nações Africanas desse ano, com vitória de 1 x 0 sobre a seleção da Argélia, as maiores esperanças nigerianas estão em Obinna (não é o famoso Obina não hein), Peter Odemwingie e Makinwa.
No mês que vem tem mais Sawubona.

Sawubona #01

Muitos devem estar estranhando o título deste post, mas antes de mais nada irei explicá-lo.
A palavra “Sawubona” é uma saudação em IsiZulu, uma das várias línguas faladas na África da Sul, aproximadamente 23% da população sul-africana diz Sawubona para saudar outras pessoas.
E uma vez por mês teremos aqui no Un Quimera um Sawubona, vão ser posts falando sobre a expectativa para a Copa do Mundo deste ano, durante a Copa vou falar mais especificamente dos jogos mesmo, mas isso é coisa pra depois…
Neste primeiro post falo das cidades-sede da Copa (em ordem alfabética):
1. Bloemfontein
Free State Stadium (48.000)

Bloemfontein é uma das cidades sul-africanas que mais aprecia o futebol. O time local é o Celtic (referência direta ao famoso Celtic escocês) e o povo de lá realmente gosta de futebol.
A cidade receberá seis jogos, cinco pela primeira fase e um das Oitavas de Final.
Uma curiosidade bem legal de Bloemfontein que eu como fã não poderia deixar de mencionar é que foi nesta cidade que nasceu J.R.R. Tolkien, o escritor já citado aqui no Un Quimera no início do ano passado, autor da grandiosa trilogia O Senhor dos Anéis.
2. Cidade do Cabo
Green Point (68.000)

A Cidade do Cabo é a segunda cidade mais populosa da África do Sul, repleta de pontos turísticos, entre eles o Cabo da Boa Esperança, mitificado na obra Os Lusíadas de Luís Vaz de Camões, a cidade conta também com um novíssimo estádio, o Green Point foi construído para a Copa de 2010.
Oito jogos serão sediados lá: cinco da primeira fase, um das Oitavas, um das Quartas e uma das duas Semi-Finais.
3. Durban
Moses Mabhida (70.000)
Durban é outra cidade que teve o estádio construído para a Copa de 2010, um dos maiores da Copa o Moses Mabhida receberá sete jogos: cinco na primeira fase, um nas Oitavas e a outra Semi-Final.
Caracterizada também pelos pontos turísticos, Durban conta com várias praias e não é a toa que será uma das “casas” da torcida brasileira durante a Copa.
4. Joanesburgo
Soccer City (94.700)

Ellis Park (61.000)

Diria que as maiores emoções da Copa do Mundo acontecerão em Joanesburgo.
Cidade símbolo da luta contra a segregação racial, Joanesburgo é também a casa dos dois maiores times sul-africanos, o Orlando Pirates e o Kaizer Chiefs.
A cidade é a mais populosa da África do Sul e também é o maior centro econômico do país.
Serão realizados quinze jogos da Copa lá. No Ellis Park serão cinco da primeira fase, um das Oitavas e um das Quartas.
E o Soccer city, que foi totalmente reformado para a Copa do Mundo receberá os jogos mais importantes: o jogo de abertura da Copa e outros quatro na primeira fase, um nas Oitavas, um nas Quartas e a grande Final da Copa do Mundo de 2010.
5. Nelspruit
Mbombela (46.000)
Nelspruit é a menor cidade dentre todas as cidades-sede.
Caracterizada pelos sáfaris existentes lá, a cidade receberá apenas quatro jogos da primeira fase, o estádio Mbombela foi construído especialmente para a Copa.
Outro detalhe é que o significado da palavra Mbombela é: muita gente junta em um pequeno espaço.
6. Polokwane
Peter Mokaba (46.000)

A exemplo de Neslpruit, Polokwane receberá também quatro jogos da primeira fase e nada mais, o estádio também foi construído para a Copa e possui a mesma capacidade do Mbombela.
O interessante é o nome do estádio (Peter Mokaba), uma homenagem a um dos líderes da luta contra o Apertheid.
7. Porto Elizabeth
Nelson Mandela Bay Stadium (48.000)
Em relação ao nome do estádio dessa vez nem preciso falar nada, a homenagem é justíssima e é para o expoente máximo do país.
O estádio, bem moderno construído também para a Copa tem o formato da flor símbolo da África do Sul, a Protea, receberá oito jogos da copa: cinco na primeira fase, um nas Oitavas, um nas Quartas e a Decisão do 3º Lugar.
Porto Elizabeth é também um dos principais pontos turísticos da África do Sul.
8. Pretória
Lotus Versfeld (50.000)

Inaugurado em 1906, o estádio Lotus Versfeld é o mais antigo da Copa. Foi reformado para sediar a competição e receberá seis jogos: cinco na primeira fase e um nas Oitavas.
Capital do país, com mais de dois milhões de habitantes Pretória é a casa de outros dois grandes times sul africanos o Supersport, atual bicampeão nacional e o Mamelodi Sundowns, clube que possui um uniforme mutio parecido com o da Seleção Brasileira.
Foi o palco da abertura e da final da Copa das Confederações no ano passado.
9.Rustemburgo
Pra fechar o post, Rustemburgo.
Royal Bafokeng (42.000)

De todos os estádios da Copa é o que possui a menor capacidade, foi reformado para a Copa e receberá seis jogos do Mundial: cindo da primeira fase e um das Oitavas.
Rustemburgo é a sede do Platinum Stars, clube da primeira divisão sul-africana, o nome do time é uma consequencia da principal atividade econômica da cidade: Rustemburgo é a principal exploradora de platina do mundo.
No mês que vem tem mais Sawubona, com outras curiosidades e detalhes de todo o ambiente que cerca a principal competição de futebol do mundo.