Arquivo da categoria: Miami Heat

Pela primeira vez Dallas!

Chegou ao fim ontem a temporada 2010/11 da NBA. A maior liga de basquete do mundo.

E essa temporada ficou marcada pelas novidades. Pela primeira vez o Dallas Mavericks se sagrou campeão, pela primeira vez um jogador não-estadunidense foi o MVP das Finais e o principal jogador do time campeão. Além disso, os Playoffs como um todo mostraram que a liga passa por mudanças e que uma nova era parece estar começando pra valer.

Sobre as Finais em si, mais uma vez errei o meu palpite. Apostei num 4-2 para o Heat e a série terminou com um 4-2 só que para os Mavs.

Em jogos muito brigados e disputados, a equipe da Florida saiu na frente na série, mas viu o Dallas empatar a série, ainda em Miami. Isso não desanimou James e cia. que voltaram a frente em terras texanas, ao vencer o jogo 3 por 88-86.

Mas depois disso o Dallas venceu todas as partidas e virou a série para 4-2.

Mesmo com todo o favoritismo do Big Three de Miami, a equipe de Mark Cuban soube jogar o seu jogo nas Finais e mesmo estando atrás na série por duas vezes, não se deixou bater tão fácil.

As bolas de três, as ativas e de certa forma surpreendentes participações de Jason Terry e J.J. Barea, além do equilíbrio do elenco como um todo e de toda a técnica e raça do MVP das Finais, Dirk Nowitzki, deram ao Dallas o primeiro título de sua história.

O Miami acabou não conseguindo mostra o seu melhor basquete nessa série e pagou caro por isso. LeBron James não foi o mesmo James de sempre e o resto do elenco parece ter acompanhado o camisa 6.

Méritos pro Dallas, que mesmo não tendo feito uma das melhores temporadas regulares, conseguiu se sobressair nos Playoffs, eliminar Portland, Lakers e Oklahoma City e finalmente bater o Heat nas Finais.

É muito interessante ver jogadores como Jason Kidd, Shawn Marion e o próprio Jason Terry conquistando um título, coisa que nunca haviam conquistado em suas carreiras, mas que por vezes mereciam, o Kidd dos Nets, o Marion dos Suns e o Terry dos Hawks. Uma época da NBA que vai passando. Como já falei no último post que comentei sobre a liga. Nomes como Shaquille O’Neal (agora já aposentado), Duncan e Bryant merecem todo o respeito, mas vão ficando pra trás. A nova geração de Rose, James, Wade, Durant, Westbrook, Horford e por aí vai, parece ter chegado de vez.

Talvez sendo uma espécie de resistência dessa geração que passa, o Dallas conquista seu primeiro título e permanece como um dos grandes times para a próxima temporada. Literalmente o time a ser batido.

Falo mais de NBA em outubro, quando essa próxima temporada estiver pra começar.

The Finals 2011

E enfim é chegada a hora de mais uma edição das tão aguardadas finais da NBA.

Durante os Playoffs falei um pouco sobre os confrontos, esbocei alguns palpites, dei meus pitacos. Hoje falarei um pouco de como foram as finas das conferências e tentarei uma projeção dessas finais, que reeditarão as finais de 2006.

Dallas Mavericks e Miami Heat chegam a grande decisão com muitos méritos. Essa temporada da NBA já pode ser considerada, com certeza, emblemática. Diria que foi o fim de um ciclo que durou 12 anos, desde a aposentadoria de Michael Jordan até a atual temporada a liga era dominada por Lakers e Spurs, sim, rolaram outros campeões que não eles, mas numa síntese geral tudo girou em torno de Tim Duncan, Kobe Bryant, Shaquille O’Neal e Phil Jackson.

Pra muitos esse ciclo pode ainda não ter sido quebrado, mas o fato de nenhum desses quatro nomes citados estarem presentes nessas finais já mostra um pouco das mudanças ocorridas na liga. Outro ponto que corrobora para essa tese do fim do ciclo é o grande número de times com jovens jogadores chegando nas fases finais, embora o finalista Dallas Mavericks não seja um bom exemplo disso, peguemos o Oklahoma City, o Chicago Bulls, o Atlanta Hawks e o próprio Memphis Grizzlies, todos times de baixa média de idade, que já chegaram longe e têm tudo para serem os grandes protagonistas de temporadas vindouras.

Mas o post de hoje não é sobre o que vira a partir da temporada 2011/12, mas sim sobre o que virá nessas finais de 2011.

O Dallas Mavericks em nenhum momento foi um dos grandes favoritos ao título do Oeste, Lakers e Spurs, e até mesmo o Oklahoma City eram quem ocupavam os postos de favoritos. Os dois grandes cairam ainda cedo – os Spurs para os surpreendentes Grizzlies e os Lakers para o Dallas Mavericks, num impactante 4-0, a série além de tudo marcou a aposentadoria do treinador multicampeão Phil Jackson – e o Oklahoma City de Durant e Westbrook caiu para o Dallas na grande final do Oeste.

Os méritos do Dallas de chegar até as finais são incontestáveis. A equipe do Texas é muito equilibrada (digo isso no sentido titulares/banco) e possui jogadores com muita experiência e técnica. Não é qualquer um que conta com jogadores do calibre de Jason Kidd, Shawn Marion, Jason Terry e Peja Stojakovic em seu time. Além desses nomes, uma grata surpresa para os Mavs nos Playoffs foi a subida de rendimento do pequenino J.J. Barea que vem fazendo bons jogos, dando qualidade para a equipe nos minutos de descanso de Jason Kidd. Mas o grande nome do Dallas é mesmo Dirk Nowitzki. O alemão já não é nenhum novato, mas joga com fôlego de um. Com atuações memoráveis nesses Playoffs é candidato forte ao posto de MVP das Finais, e é nele que as maiores esperanças do Dallas estão depositadas.

Olhando para o outro lado temos o Miami Heat. Este, ao contrário do Dallas, sempre foi tido como um dos grandes favoritos ao título da Conferência Leste. Depois de passar por várias críticas durante a temporada regular e não ter conseguido a primeira colocação da Conferência Leste, chegou aos Playoffs com muita seriedade e humildade, depois de eliminar os Sixers no primeiro round enfrentaram os dois adversários mais fortes possíveis, os experientes e tarimbados Celtics e o líder da temporada regular e time do MVP da temporada, Chicago Bulls.

Vencendo ambas as séries por 4-1 o Miami mostrou que todas as expectativas depositadas em cima dele podem ser sim correspondidas. O trio James-Wade-Bosh comandou a equipe nessas vitórias, com destaque maior para o primeiro que a cada temporada que passa se mostra um jogador ímpar, que impressiona a todos, faz jogadas bonitas e envolventes e sempre chega a decisões, foi assim nos Cavs e está sendo assim também em Miami. Além do “mainstream” outros jogadores como o ótimo Mike Miller, que ressurgiu nesses Playoffs, também ajudam o Heat na busca de mais um título.

As finais se iniciam na terça e depois de falar um pouco de cada time vou dar o meu palpite. Prever equilíbrio num duelo desses é redundante, como já disse ambos os times mereceram chegar a essas finais e o título estará em boas mãos de qualquer maneira. Aposto em algo que seria de certa forma engraçado. Não da mesma maneira como em 2006, mas acredito que o resultado final será 4-2 para o Heat.

Escrevo mais sobre NBA aqui no Un Quimera quando essas finais forem decididas.

Enquanto isso na NBA…

Lá no fim de outubro de 2010, coloquei um post aqui no Un Quimera falando sobre o início da temporada 2010-11 e prometi mais posts falando sobre a maior liga de basquete do mundo.

Apesar de estar acompanhado bem de perto a liga, acabei não escrevendo nenhum até hoje. Chegou a hora.

Animado pela bela vitória dos Grizzlies sobre os Lakers em pleno Staples Center ontem a noite, por 104-85, vou tentar fazer um balanço geral do que está sendo a temporada 2010-11 até agora, dentro do que vi, ouvi e li.

A temporada começou com todas as expectativas voltadas para o Miami Heat, que na verdade teve um mau começo, perdendo pros Celtics na noite de abertura e não conseguindo encaixar bons jogos. Até que o entrosamento foi chegando e Wade, Bosh, James e cia. começaram a vencer, jogar um basquete bom de se ver e hoje ocupam a segunda posição do leste com record de 26-9.

E enquanto o Heat não se ajeitava quem começava bem a temporada era o atual campeão Los Angeles Lakers. A equipe de Phil Jackson porém não continuou no pique do início de temporada com muitas vitórias, com a derrota de ontem para os Grizzlies caem par a quarta colocação do Oeste, com 23-11, é ainda um potencial candidato ao título, mas nem tudo é perfeito para os atuais campeões.

Ainda no Oeste destacam-se dois times texanos: os Spurs e os Mavs. A equipe de San Antonio possui um trio muito pouco badalado, mas que joga um basquete de primeiríssima qualidade: Duncan, Parker e Ginobili. Individualmente nessa temporada o argentino vem se destacando mais ainda e os Spurs possuem hoje o melhor record da liga: 29-4 o que lhes dá a liderança da Conferência Oeste e até comentários da possibilidade de igualar o melhor record da história da NBA, o 72-10 do Chicago Bulls de Michael Jordan em 1996.

Já os Mavs não estão tão bem assim, mas aparecem logo atrás, em segundo no Oeste, com 25-8, a lesão de Dirk Nowitzki na semana passada prejudica muito, mas mesmo sem ele Dallas é um time consistente e candidato ao título, algumas sequências interessantes durante a temporada provaram isso, além de tudo o elenco é bem balanceado.

Dando uma volta pelo Leste agora, além do Heat, vale destacar também o líder Boston, Orlando e suas trocas, além de Chicago e New York.

Os Celtics, que chegaram um pouco desacreditados na atual temporada vêm mostrando que mesmo com um time já bem envelhecido têm chance de título ainda, liderando a Conferência Leste com um 25-7, a equipe conta com medalhões como Garnett, Allen e Shaq, e o medo das contusões se faz presente, por enquanto as coisas vão indo bem em Massachusetts.

O Orlando Magic, que também segue na cola dos líderes com 21-12, foi  o responsável pelas maiores trocas da temporada até agora, trouxe de volta Turkoglu do Phoenix, e do Arizona trouxe também Jason Richardson, além de ir buscar o garoto-problema Gilbert Arenas em Washington D.C. Pra isso deu Vince Carter e mais alguns reservas para os Suns e Rashard Lewis para os Wizards. O novo Magic vem se dando bem, conseguindo vitórias importantes contra Heat e Knicks por exemplo, mas mesmo com as trocas Dwight Howard continua sendo a principal peça do Magic.

O Chicago Bulls por sua vez aparece em terceiro no Leste com 22-10, com Joakim Noah lesionado a equipe acabou perdendo força no garrafão, mas Boozer, Deng e principalmente Derrick Rosa vem dando conta do recado, a equipe de Illinois vem evoluindo muito e pode sim sonhar com o título.

Já o New York Knicks não está com um record tão bom assim é apenas o sexto na Conferência Leste com 19-14, mas vem mostrando um ótimo basquete, Raymond Felton faz talvez sua melhor temporada e Amar’e Stoudemire vem jogando como MVP. Ótimas apresentações do camisa 1, ex-Phoenix, o título talvez seja pretensão demais, mas os Knicks com certeza vão dar muito trabalho ainda.

Considero esses como os principais times da temporada até agora, deixando de lado as franquias vou falar um pouco agora de jogadores.

Começando pelos calouros, não dá pra falar deles sem falar de Blake Griffin. O atlético ala dos Clippers não está conseguindo levar seu time muito longe é apenas o 13º colocado no Oeste, com 10-24, mas independente disso, Griffin vem dando show, são enterradas e mais enterradas, uma mais sensacional que a outra, que o colocam no Top dos Tops, o camisa 32 tem muito futuro e possivelmente será o calouro do ano. Além dele, dentro do grupo dos calouros, vale citar John Wall dos Wizards, DeMarcus Cousins dos Kings e Landry Fields dos Knicks.

Numa análise mais geral da liga, como já disse mais acima, Amar’e Stoudemire vem jogando como MVP, além dele Dirk Nowitzki, ganhador do prêmio de MVP em 2006, volta a jogar como um, sua lesão no entanto pode prejudicá-lo, Derrick Rose, dos Bulls também aparece como potencial candidato ao prêmio de MVP, mas na minha opinião quem está jogando mais mesmo é ele, King James!

Aí já entro num outro assunto que foi o mais comentado da liga esse ano, que é a questão de LeBron ter se tornado free agent e ter assinado com o Heat, uma repercussão enorme envolveu essa polêmica toda e o jogo de sua volta em Cleveland era aguardado por muitos, e ele aconteceu no dia 2 de dezembro, aí coloco primeiro vídeo do post:

Num cenário sensacional, LeBron “voltou pra casa” e mostrou do que é capaz, 118-90 contra seu ex-time, com 38 pontos e 8 assistências, depois desse jogo LeBron e seu Heat voltaram a tona e vieram mais dois jogos repletos de rivalidade e importância, primeiro os Knicks em New York, outro show de LeBron e outra vitória do Heat, depois os Lakers no Staples Center e pra variar outro show de LeBron e outra vitória do Heat.

Pra fechar o post agora, ainda falando um pouco de LeBron e enfim falando dos meus Grizzlies, coloco os dois buzzer-beaters que considero os melhores até agora.

O primeiro aconteceu no FedEx Forum, em 20 de novembro, num Memphis 95-95 Miami, Rudy Gay pegou a bola e partiu pra cima da marcação de James, um chute perfeito que deu a vitória aos Grizzlies e no momento colocou profundos questionamentos sobre o destino do Heat na temporada:

O segundo aconteceu dia 29 de dezembro, quarta passada, e infelizmente foi contra os Grizzlies, depois de O.J. Mayo colocar os Grizzlies a frente por um ponto (98-97), Tyreke Evans chutou pra trás do meio da quadra numa tentativa desesperada de quebrar uma sequência de oito derrotas dos Kings, só que o desespero acabou virando alegria, Tyreke acertou o chute e a Arco Arena veio abaixo, um dos grandes arremessos da história da NBA, ouso dizer:

Por enquanto é isso o que tenho a dizer da NBA 2010-11, se fosse pra falar com mais detalhes o post seria ainda mais longo, não acho que valha a pena, aos poucos vou colocando mais posts sobre a liga aqui.