Arquivo da categoria: Estados Unidos

Os “acontecimentos” de setembro/2010

Chega ao fim o mês de setembro e é hora do post dos “acontecimentos”.
Acho que vai ficar até estranho, em tempo de Eleições e tudo mais, mas escolhi dois “acontecimentos” esportivos.
Talvez não tenham tanta importância assim num olhar mais geral, porém acredito que são legítimos “acontecimentos”.
O Mundial de Basquete na Turquia e a tão polêmica demissão de Dorival Júnior do Santos.
EUA soberanos na Turquia
O Mundial de Basquete da Turquia realizado entre os dias 28 de agosto e 12 desse mês contou com 24 seleções
divididas em quatro grupos de seis (com quatro times classificados em cada grupo).
Do grupo A classificaram-se para as Oitavas Sérvia, Argentina, Austrália e Angola.
Do grupo B Estados Unidos, Eslovênia, Brasil e Croácia.
Do grupo C Turquia, Rússia, Grécia e China.
E do grupo D Lituânia, Espanha, Nova Zelândia e França.
Os maiores destaques foram os EUA, que já mostravam toda sua força, contando com a experiência de jogadores como
Chauncey Billups e Lamar Odom, e comandados pelo ótimo ala do Oklahoma City Thunder, Kevin Durant. Também a
Lituânia de Linus Kleiza, do Denver Nuggets e os donos da casa, comandados por Ilyasova e Hedo Turkoglu.
O Brasil fez uma campanha mediana, não empolgou muito nos primeiros jogos contra Irã e Tunísia, mesmo vencendo. No terceiro jogo o grande adversário: os Estados Unidos. Em um jogo muito disputado a Seleção Brasileira acabou
perdendo por detalhes, 70 x 68. Depois disso veio uma derrota pra Eslovênia e uma vitória sobre a Croácia, valeu
a classificação pras Oitavas.
Nas Oitavas um grande jogo entre Sérvia e Croácia, 73 x 72 para o time do pivô Nenad Krstic. Além disso a
confirmação das boas campanhas de Turquia, EUA e Lituânia, com todas se classificando para as Quartas, além das
vitórias de Espanha e Eslovênia sobre Grécia e Austrália, respectivamente.
E o embate sul-americano entre Brasil e Argentina. O jogo, revestido de rivalidade, ganhou um tempero a mais, pois
foi disputado justamente no dia da Independência do Brasil, 7 de setembro.
Um bom jogo, em que o Brasil esteve a frente do placar por algum tempo, mas que mais uma vez, assim como tinha
acontecido contra os EUA, perdeu por detalhes. 93 x 89. O grande destaque foi o pivô do Houston Rockets, Luis
Scola. O “sósia” de El “Loco” Abreu fez uma partida muito sólida e cresceu no fim da partida convertendo cestas
importantes. Além disso o aproveitamento da linha dos 3 pontos por parte dos hermanos foi sensacional.
O Brasil teve em Marcelinho Huertas seu principal destaque, o armador que vinha bem desde o início da competição
se superou, fez um belo jogo e depois da derrota saiu chorando de quadra. Leandrinho não conseguiu demonstrar o
seu melhor basquete e a equipe do treinador argentino Ruben Magnano acabou parando nas Oitavas. Mais uma vez o
Brasil sai precocemente de um Mundial, isso é muito ruim, a história do basquete brasileiro é linda e nas últimas
décadas parece estar sendo manchada, valores individuais ainda existem, mas ainda falta algo mais pra essa Seleção.
O Mundial seguiu e nas Quartas os argentinos também voltaram pra casa, tomando um baile da Lituânia, 104 x 85. Os
EUA continuaram seu caminho rumo ao título passando pela Rússia e os turcos eliminaram a Eslovênia. A Sérvia mais
uma vez protagonizou um emocionante jogo contra os então campeões mundiais, a Espanha e mais uma vez venceu por um placar apertado: 92 x 89.
Nas semi-finais em um bom jogo os EUA superaram o bom time de Linas Kleiza e venceram por 89 x 74, cravando sua
vaga na final, apesar da derrota para os EUA nas semi é de se destacar o desempenho da Lituânia nesse Mundial, que
viria ser confirmado na disputa do terceiro lugar, com a vitória por 99 x 89 sobre a Sérvia.
É, a Sérvia foi chegando com vitórias apertadas e nas semi-finais acabou provando do próprio veneno. Derrota para
a Turquia por 83 x 82, com uma cesta no último segundo de jogo, de Tunçeri. Foi talvez o lance mais emocionante
desse Mundial.
Com a classificação para a final a seleção turca fez história! Pela primeira vez chegou a final e coroou sua
torcida, que compareceu em peso nos jogos e o seu treinador Bogdan Tanjevic, um dos símbolos dessa campanha de
superação da Turquia, que não contou com um de seus principais jogadores, o pivô do Utah Jazz, Mehmet Okur.
E enfim chegou 12 de setembro e a grande final. Sinceramente, como era de se esperar, devido a grande soberania
técnica estadunidense, deu Estados Unidos campeão. Com uma vitória de 81 x 64 na final, Durant e cia. quebraram um
tabu de 16 anos se título no Mundial e recolocaram os EUA no topo do basquete.
Interessante ver também que astros como Kobe Bryant, LeBron James e Dwayne Wade sequer jogaram. Contra o Dream Team é realmente muito difícil uma vitória.
O Caso Dorival-Neymar
Vamos combinar que não é qualquer dia que um treinador que conquista dois títulos em seis meses é despedido de um
time por causa de um único jogador. Por isso a demissão de Dorival Júnior é sim um “acontecimento”.
Tudo começou na partida entre Santos x Atlético-GO na Vila Belmiro, no fim do jogo, após pênalti para o Santos,
Neymarr pediu pra bater e não foi atendido, discutiu muito então com o treinador Dorival Júnior. Isso foi o fato.
E a partir desse fato o que se deve ter claro em mente é que nem Neymar nem nenhum outro jogador tem o direito de
sair discutindo assim com o seu treinador.
Isso gerou uma certa tensão dentro do clube e Dorival Júnior decidiu punir o “craque” deixando ele de fora do
próximo compromisso do Peixe contra o Guarani no Brinco de Ouro. O jogo terminou no 0 x 0 e Neymar apenas o
assistiu das cabines.
O próximo jogo do Santos seria na Vila Belmiro contra o rival Corinthians, na quarta, dia 22. Até na terça, Neymar
não jogaria e Dorival era o treinador do Santos, mas uma reunião da diretoria santista decidiu passar por cima das
ordens do comandante, despediu ele e colocou Neymar pra jogar. O resultado do jogo foi 3 x 2 para o então líder
Corinthians, mas o segundo gol do Santos foi dele, Neymar.
Enfim, o que entra em questão aqui é a atitude de Neymar e como ela repercutiu tanto e tomou proporções tão
grandes. Quem sou eu pra fazer qualquer julgamento ou coisa parecida, mas na minha opinião o ato da diretoria
santista foi extremamente infeliz.
Aí vão dizer: Neymar foi um grande investimento para o Santos, sua permanência no Santos após uma oferta milionária
do Chelsea foi algo louvável e ele é a principal atração do time, consequentemente a principal renda do clube
também.
Porém se Neymar é tudo isso e é também indiscutivelmente um bom jogador, com muito futuro, suas atitudes também
deveriam condizer com tudo isso. A responsabilidade e a humildade deveriam entrar em campo junto com o menino de 18 anos, que acabou perdendo até sua vaga na Seleção Brasileira por conta desse incidente.
Dorival, hoje treinador do Atlético-MG, vinha fazendo um belo trabalho no Santos e acabou sendo demitido. Não é o
que ele merecia.
A atitude da diretoria santista cheira mesmo a um pai que vai mimando seu filho, que por melhor que seja não pode
e não deve ser mimado assim. Volto a afirmar, Neymar tem muito potencial e possivelmente estará representando o
Brasil na próxima Copa do Mundo, mas não é nenhum gênio, já existiram muitos outros jogadores do seu nível ou até
superior que souberam ser mais humildes e tiveram grandes conquistas durante a carreira.
Não é querer crucificar o menino, mas sim dizer que ele precisa crescer.
Vale citar a frase que saiu no New York Times sobre essa polêmica toda: “O medo de que ele possa desenvolver mais
hábitos de Maradona do que de Pelé exercita a mente de um país onde o futebol está tão enraizado”.
Acho que é isso, os “acontecimentos” de setembro ficam por aqui. Até outubro.

Brasil Tri-Campeão da Copa das Confederações


Chegou ao fim ontem, a Copa das Confederações, um ensaio para a competição mais importante do mundo do futebol, a Copa do Mundo.

E até parecia que as pequenas listras da camisa estadunidense eram listras de uma zebra, e até certo ponto foram.
Depois de duas derrotas (para a Itália por 3 x 1 e para o Brasil por 3 x 0), a seleção comandada por Donovan e Dempsey estava praticamente fora da competição, mas ainda tinha a última rodada da primeira fase. O que aconteceu? O Brasil deu um chocolate em cima da Itália, 3 x 0 e os Estados Unidos fizeram o mesmo placar sobre o Egito, com esses dois resultados, a seleção do Tio Sam acabou se classificando pelo número de gols marcados.
Aí chega a semi-final contra a favoritíssima Espanha, eu mesmo já dava como certo a final entre Brasil x Espanha, mas o EUA conseguiram segurar a Fúria, e com um bom 2 x 0 garantiram vaga no Ellis Park, na finalíssima de domingo.
E pra quem pensava que na final os EUA novamente levariam um baile da Seleção Brasileira, se enganou. Sabendo jogar no contra-ataque e fechando bem a defesa conseguiu fazer 2 x 0 no primeiro tempo, gols dos dois craques do time: Dempsey e Donovan.
Pois bem, chegou a hora da zebra ir pra casa. No segundo tempo o Brasil voltou diferente, mais vibrante, melhor como um todo e com um gol achado de Luís Fabiano, com menos de um minuto já diminuiu a vantagem dos EUA para 2 x 1.
O Brasil continuou melhor e chegou a empatar com Kaká, a bola entrou mas o juiz não marcou. Logo depois o empate veio verdadeiramente: Kaká fez boa jogda pela esquerda e cruzou rasteiro pro meio, Robinho tocou pro gol mas a bola não entrou, no rebote, Luís Fabiano cabeceou para empatar o jogo e marcar o seu quinto gol na competição, isolando-se ainda mais na artilharia.
E já aos 39 da etapa final, escanteio para o Brasil, Elano bateu muito bem e o gigante Lúcio subiu pra cabecear e dar números finais ao jogo.
Lúcio que mesmo sem clube, afinal não renovou seu contrato com o Bayern de Munique, mostra que não é a toa que desde 2001 é titular absoluto dessa Seleção, a garra demonstrada por ele é a cara do time brasileiro e depois do jogo, quando Lúcio recebeu a taça de Blatter e Zuma e a levantou bem alto, o reconhecimento do trabalho dele e de todo time foi exposto a todo mundo.
Mais um título na Era Dunga, que apesar de todas as contestações vem conseguindo resultados impressionantes, uma Copa América em cima da Argentina, uma Copa das Confederações e a liderança nas Eliminatórias, apesar de ser um tanto defensivo, coisa que não é característica da Seleção Brasileira, o time de Dunga tem um bom esquema, e além de tudo muitos jogadores que jogam no Brasil foram convocados, o que eu acho importante.
E já que o post é Copa das Confederações não podíamos deixar de falar dele, um treinador, uma lenda, um mito: Joel Natalino Santana: