Arquivo da categoria: Campeonato Carioca

Le Rouge et Le Noir #15

Hoje é dia de post da futebolística série Le Rouge et Le Noir.

Como de costume coloco aqui o texto que publiquei hoje no Confio no Mengão. Falo um pouco sobre o atual momento rubro-negro, que, querendo ou não, já ficou marcado pelo inacreditável empate contra o Olimpia na última quinta. Além disso falo sobre um assunto que, curiosamente, também falei sobre no ano passado, exatamente no mês de março. É sobre uma possível nova volta de Adriano ao Flamengo, diferente do ano passado, quando dediquei um post só pra isso, esse ano eu fui bem direto ao assunto, no fim do texto que aí está:

Transição

Acredito que transição talvez seja a palavra que melhor defina o atual momento do Flamengo.

Sim, é verdade que já faz um tempo que Luxemburgo saiu e Joel entrou, mas insisto que tanto o time quanto o estilo de jogo de Joel ainda não foram de fato implantados no Flamengo.

Depois de uma eliminação nas semi-finais da Taça GB e do primeiro turno da fase de grupos da Libertadores (com um desfecho melancólico no inacreditável empate por 3 x 3 contra o Olimpia no Engenhão na última quinta), o que eu vejo é um time ainda sem uma cara definida, sem um estilo de jogo característico, quer dizer, ainda estamos em uma transição da Era Luxa para a Era Joel.

Aí podem perguntar: pô, então quer dizer que você acha que esse time do Joel tá mal? Que não dá pra ter esperança nenhuma em relação ao Carioca e à Libertadores? Não, eu não acho isso. Pelo contrário.

Essa mesma falta de identidade que eu vejo no atual time do Joel eu vi, durante praticamente todo o ano passado, o time de Luxemburgo, apesar de ter vivido bons momentos como o título carioca invicto e o primeiro turno do Brasileirão quase invicto e com algumas boas atuações, nunca teve uma cara, era um time muito inconstante e sempre foi assim.

O atual time já parece mostrar algumas diferenças. Como eu disse, não vejo ele ainda com uma identidade, mas vejo ele em busca disso. Apesar do lamentável empate contra o Olimpia na última quinta, aquele jogo foi talvez o melhor jogo do Flamengo na Era Joel, até o momento em que o time todo resolveu parar de jogar e apenas assistir a equipe paraguaia jogar e fazer 3 gols em quinze minutos.

De qualquer forma, como bem disse o Jean, penso ter sido bem melhor dar essa bobeira agora, na fase de grupos e já se precaver contra uma possível repetição, do que ver isso acontecendo no mata-mata.

Enfim, vejo o atual momento como um momento de transição e muita indecisão, apesar de ainda existirem muitos problemas estou bem confiante com esse time do Joel.

Pra finalizar o texto, não poderia deixar de falar do grande assunto do Flamengo nos últimos dias, assunto esse que está fora das quatro linhas. Sim, falo do possível retorno de Adriano à Gávea.

Depois de rescindir com o Corinthians o Imperador já surge como uma possível novidade no Flamengo e, como de costume, atrai a atenção de grande parte da imprensa e da torcida. Sinceramente, eu ainda acho que jogando bola de verdade o Adriano ainda é um dos melhores atacantes do mundo, eu ainda acho que tudo que ele fez em 2009 não pode ser esquecido jamais, eu ainda acho tudo isso, mas também acho que não dá mais pra ele no Flamengo.

Se vier, vou apoiar até o fim, mas se dependesse só de mim eu preferiria que o Imperador fosse procurar novos impérios ao invés de voltar para o seu conhecido Império rubro-negro.

SRN

Le Rouge et Le Noir #05

O post de hoje, quinto da série Le Rouge et Le Noir, não poderia falar de outra coisa que não o 32º título carioca da história do Flamengo (o quinto de maneira invicta).

Depois de vencer a Taça Guanabara, o Flamengo venceu também a Taça Rio e, unificando os dois títulos, sagrou-se campeão carioca com antecedência.

A final ontem foi contra o Vasco e botou em jogos dois tabus que já são muito grandes: a síndrome de vice do Vasco para o Flamengo e a invencibilidade rubro-negra em decisões por pênaltis, nenhum dos tabus foi quebrado e o Flamengo ficou com a taça.

Nos 90 minutos nada de muito interessante, foi um jogo sem um nível técnico muito bom. Pelo lado do Vasco muita defesa e marcação em uma ou outra chegada perigosa, Felipe assustou num chute de fora da área e o zagueiro Dedé, de cabeça, por pouco também não fez o gol.

Pelo lado do Flamengo a volta de Ronaldinho, uma falta cobrada pelo camisa 10 no começo do segundo tempo foi talvez o grande lance do Flamengo no jogo, Fernando Prass fez grande defesa. Outro bom momento também foi a triangulação entre Ronaldinho, Thiago Neves, Deivid e Bottinelli, ainda no primeiro tempo, a bola foi de pé em pé e sobrou com o argentino que finalizou bem e obrigou Fernando Prass a fazer outra boa defesa.

Fora isso muita correria e marcação forte dos dois lados, um jogo bem truncado, no fim Allan e Willians se desentenderam e ainda foram expulsos.

O 0 x 0 no placar levou a decisão do título para os pênaltis. Sem querer deixar o lado torcedor falar mais alto, mas acredito que a resposta para a indagação do goleiro Felipe (não sei se foi respeito ou medo) é medo.

Em qualquer decisão por pênaltis é lógico que os treinamentos e a condição física são de extrema importância, porém o fator psicológico também é tão ou até mais importante nesses momentos.

Os jogadores rubro-negros foram para as cobranças determinados, sem medo e sem muito a perder, afinal, se por acaso perdessem o título da Taça Rio ainda teriam mais dois jogos para buscar o título carioca.

Já os cruzmaltinos não. Foram pra bola com uma pressão enorme em cima deles, precisando vencer pra forçar a decisão, com a síndrome de vice ecoando da arquibancada e com um goleiro chamado Felipe como seu adversário. Dava pra perceber na fisionomia dos caras que eles não estavam seguros com tudo isso pesando, e na tentativa de tirar a bola do goleiro Felipe ou chutaram no canto demais (Felipe Bastos e Elton) ou chutaram alto demais (Bernardo).

Isso tudo não deixa de ser mérito do Flamengo, que conquistou essa “fama” toda em disputas de pênaltis anteriores, quem tenta desmerecer esse título é um utópico, por mais que o time ainda esteja se formando e realmente não tenha apresentado um futebol encantador até agora a superioridade do Flamengo dentro do Rio de Janeiro é incontestável. Nos últimos 5 anos foram 4 títulos e um vice-campeonato.

Porém não se pode pensar também que essa superioridade toda valha muita coisa. O Flamengo é grande demais pra se contentar com títulos cariocas e é por isso que agora é hora de focar de vez na Copa do Brasil em busca de mais um título e da vaga na Taça Libertadores 2012.

Apesar de alguns jogos entediantes e de alguns empates duvidosos o Flamengo é campeão carioca invicto e continua invicto na temporada 2011 como um todo, não tem do que reclamar, nas decisões até agora mostrou que tem time e venceu. O primeiro momento da temporada 2011 se encerra. Vem agora a reta final da Copa do Brasil e o Brasileirão. Vai pra cima deles Mengo!

Le Rouge et Le Noir #02

Guardei o post da série Le Rouge et Le Noir desse mês pro último dia do mês, em virtude da final da Taça Guanabara disputada ontem.

É natural que o tom seja de euforia após a conquista de mais um título do Flamengo, a 19º Taça Guanabara de sua história (assim como acontece no Campeonato Carioca, o Flamengo é também o maior vencedor da Taça Guanabara).

Mas vou tentar ser contido e analisar a campanha rubro-negra na Taça Guanabara como um todo, falando em especial da final de ontem contra o Boavista.

Antes de mais nada o que chama a atenção é a campanha invicta do Flamengo. Se no começo da competição os resultados vinham meio arrastados, como no jogo contra o Americano e na estreia de Ronaldinho Gaúcho contra o Nova Iguaçu (em ambos o raçudo Wanderley foi quem decidiu), mais pro fim da competição os resultados continuaram muito magrinhos, não teve nenhuma goleada, porém ficou nítido também a evolução do time, já apresentando um futebol mais consistente na semi-final contra o Botafogo e na final de ontem contra o Boavista.

É interessante ressaltar que o time ainda está em formação, são pouquíssimos os remanescentes da equipe titular do ano passado, equipe que merece ser esquecida.

Por causa disso e também pela pressão que sempre existe num clube do tamanho do Flamengo, considero natural e até saudável esse começo de temporada não tão estrondoso.

Importante era ganhar o título. E isso o Flamengo ganhou de forma invicta.

Não quero dizer que está tudo perfeito, mas até agora esse time vem se mostrando como um típico rebatedor de críticas.

Quando Ronaldinho chegou, depois daquela longa e fastidiosa novela, os torcedores rivais torciam o nariz e destilavam críticas vagas como a de que Ronaldinho cairia na farra assim como fez Adriano em 2010, ou então que Ronaldinho, por ter um salário muito superior, também teria regalias dentro do clube e despertaria inveja nos outros jogadores, causando rachas ou coisas parecidas.

Ledo engano. Acontece que Ronaldinho nem sequer deu ouvidos para isso, acontece que Ronaldinho está focado e é só mais um jogador, aliás, não é só mais um jogador, minto, é um líder desse time. Já tem braçadeira de capitão, já puxa o bonde sem freio e já exibe o característico sorriso.

Ainda falta muito na parte técnica, falta. Mas a determinação de Gáucho é notável e da estreia até o jogo de ontem ele já evoluiu muito, o gol do título de ontem, numa falta que lembrou outros camisas 10 da Gávea, como Zico e Pet, foi a coroação desse primeiro ato do principal jogador do elenco rubro-negro.

Além desse ponto, outra crítica comum que surgiu no começo da temporada tanto de torcedores rivais quanto da imprensa foi a questão do elenco rubro-negro, principalmente a defesa.

Talvez ainda falte mesmo um lateral-esquerdo e mais um zagueiro. Mas como disse, esse time é um rebatedor de críticas.

Além de ter sido campeão de forma invicta foi também a defesa menos vazada da Taça GB. A tão criticada dupla de zaga Wellinton e David Braz foi praticamente perfeita na final e no decorrer da competição também teve pouquíssimos erros, estão jogando com seriedade, sem medo de dar chutão.

Na lateral-esquerda, Egídio seria o titular, mas durante a competição ocorreram as improvisações de Renato Abreu e Ronaldo Angelim pra falar a verdade, vejo isso como um ponto positivo e aí que falo ainda mais sobre o elenco.

Apesar da carência na lateral-esquerda, Vanderlei Luxemburgo ainda está encaixando o time e por isso testa, improvisa e tenta coisas novas sempre, até chegar a formação ideal. Só pode fazer isso quem tem elenco bom, do meio pra frente o Flamengo é hoje muito forte.

Opções de banco como Fernando, Fierro, Bottinelli, Negueba, Diego Maurício, Marquinhos, Vander, Wanderley, não é qualquer time que tem tantas e com essa qualidade, nenhum desses é um grande craque, mas são ótimas peças para compor elenco e com potencial até para se tornar um titular absoluto.

Falando ainda de jogadores individualmente, Felipe vem sendo muito seguro até agora, as defesas na disputa por pênaltis, na semi-final contra o Botafogo foram seu ponto alto, mas em todos os jogos não teve praticamente nenhuma falha e quando foi acionado esteve muito bem.

Pra fechar, não dá pra esquecer de elogiar Vanderlei Luxemburgo, muito, mas muito criticado pela temporada ruim no Atlético-MG ano passado, ele, assim como o Flamengo, se reconstruiu esse ano, e não ligando pra críticas nem nada, vem trabalhando com seriedade, lembrando o Vanderlei multicampeão de outros tempos.

Enfim, esse foi um balanço geral da Taça Guanabara 2011, é só o começo de temporada e muita coisa ainda vai rolar, mas só de ter garantido a vaga na final do Carioca e a vaga na segunda fase da Copa do Brasil já valeu muito a pena. Esse time ainda tem muito que evoluir, mas o começo está sendo dos melhores.

Em março tem mais Le Rouge et Le Noir.

 

Fluminense 3 x 5 Flamengo


Na boa, ontem eu vi um dos melhores jogos de futebol da minha vida!

Um jogo digno no nome e da importância dele, um Fla x Flu daqueles que vai ficar pra história.
E aí vai o texto que eu postei no Confio no Mengão:
Diferentemente do último jogo contra o Americano, esse é um jogo que dá muita vontade de escrever sobre. Mas antes de ir para o jogo especificamente queria dizer sobre o que estava sentindo nas vésperas da partida.

Em todos os blogs e sites que visitei no sábado e hoje de manhã, as previsões para o jogo eram muito parecidas: o Flamengo está com uma defesa ruim, que toma muitos gols, não é mais o mesmo do time do hexa, etc…

E o Fluminense? O Fluminense é o grande time carioca, está jogando muita bola! Não toma gols, faz lindas jogadas, Conca é o melhor jogador em atividade no Brasil, etc…

Sinceramente, até parecia que o Flamengo passou todo o Brasileirão de 2009 lutando pra não cair e o Fluminense foi campeão (será que foi isso mesmo?)

Mas como todos sabem o futebol é resolvido dentro das quatro linhas e nos primeiros quarenta e cinco minutos o Fluminense confirmou tudo o que se falava sobre ele.

Mesmo sem seu principal destaque, Fred, a equipe comandada por Cuca jogou muito bem, Maicon era o melhor em campo, sempre escapando pelos buracos da defesa rubro-negra.
Não demorou muito e saiu o gol do Flu. Enfiada de Diguinho para Alan ser mais rápido do que a zaga do Flamengo e abrir o placar.

O Flamengo bem que tentava mas o Flu era superior, e sempre que chegava, chegava com perigo.

Aos 40 minutos, Angelim cometeu pênalti (?) em Alan. Conca cobrou bem e aumentou a vantagem do Flu.
Dois minutos depois, talvez o único bom lance do Flamengo em todo o primeiro tempo. Juan fez boa jogada pela esquerda e sofreu pênalti claríssimo, cometido por Diguinho.
Adriano bateu e diminuiu.

Mas três minutos depois, aos 45 do primeiro tempo, bola na área do Fla, o zagueiro Cássio chuta, e com muita sorte a bola desvia em Álvaro e entra no gol. 3 x 1 para o Flu, as previsões dos sabichões se confirmando e o Flamengo mal, muito mal! Mostrando todas as fragilidades da defesa e sem força para reagir lá na frente.
Mas como eu já disse e todos sabem, futebol se decide dentro das quatro linhas, mas em certas ocasiões também fora dela, não sei o que Andrade falou naquele vestiário, só sei que o Flamengo perdido e fraco do primeiro tempo não voltou para o segundo tempo, voltou o verdadeiro Flamengo: forte, com raça e vibração, aquela camisa rubro-negra, quando vestida assim, cresce e muito.

As substituições de Andrade foram sensacionais. Willians, que voltava de lesão e Vinícius Pacheco entraram muito bem em campo e foram decisivos.

Como já disse a atitude do Flamengo no segundo tempo foi outra, literalmente passou por cima do bam-bam-bam Fluminense, que simplesmente sumiu em campo no segundo tempo, era hora do Flamengo mostrar porque foi hexacamepão brasileiro e porque é candidato fortíssimo ao tetra carioca.

Com 7 minutos, após bate-rebate na área, a bola sobrou para Vágner Love, o artilheiro do amor não deu bobeira e marcou seu quarto gol em três jogos pelo Flamengo, pra quem desconfiava dele é bom rever as opiniões.

Não demorou nem mais um minuto pro empate chegar. Belíssima jogada de Vinícius Pacheco pela direita, cruzamento na área e gol de Kléberson, era o empate do que já tinha pinta de virada, a raça que o Flamengo demonstrava no segundo tempo era algo fora do comum.

Mas toda essa euforia foi contida aos 15 minutos. Álvaro fez falta no meio de campo, recebeu seu segundo amarelo e foi expulso. David entrou de imediato no lugar de Fierro. E o Flamengo que buscava o gol da vitória teve que se segurar lá atrás, pois o Fluminense agora com um a mais voltava ao ataque com força.

Mas a raça rubro-negra continuava e mesmo com um a menos a virada chegou.

Aos 37 do segundo tempo um belo gol: Vágner Love arrancou, fez boa jogada e rolou para Vinícius Pacheco, o camisa 22 que definitivamente jogou muita bola, apenas rolou para Adriano finalizar e fazer o quarto.

Mas não parou por aí, aos 45, Adriano recebeu em posição legal belo lançamento de Vinícius Pacheco (de novo ele) e fechou a conta: Flamengo 5 x 3 Fluminense. De virada e com um a menos. E só pra lembrar o “Império do Amor” já tem oito gols na competição.

Olha, o Flamengo não é nunca foi perfeito. AS deficiências na defesa continuam, o time novamente tomou muitos gols, sim, tudo isso é verdade, mas uma coisa é certa: esse time é muito forte e tá na briga por tudo que disputa.
E jogos como esse ficam pra história e dão mais orgulho ainda de dizer: Uma vez Flamengo, Flamengo até morrer!

Se quiserem continuar subestimando não tem problema, dentro das quatro linhas a gente mostra o nosso futebol.

SRN

Flamengo 3 x 2 Duque de Caxias

Assim como falei da estreia do Flamengo no ano de 2009 aqui no Un Quimera, falo hoje da estreia do Flamengo neste ano de 2010, depois do Penta Tri no Carioca e do Hexa no Brasileirão em 2009, 2010 chega com muitas expectativas.
O texto foi publicado originalmente no blog Confio no Mengão.

Enfim a estreia.
O período pós-hexa pra mim foi até chato, não ver o Mengão jogar não é lá muito legal e ficar só ouvindo especulações de contratações também não é nem um pouco animador. É boato demais e considero correta a postura do Flamengo em não sair fazendo contratação a torto e a direito como fizeram muitos times por aí.
Apesar das saídas de Aírton, Everton e Zé Roberto, que eram peças importantísimas temos ainda um elenco hexacampeão brasileiro, não há necessidade de muitas contratações, apenas para as posições de mais carência, por isso já digo, pra mim esse time do Flamengo ainda precisa de lateral-esquerdo para a reserva do Juan e, principalmente, de um meia armador para a reserva do Pet, que não tem idade para aguentar uma temporada inteira jogando todos os jogos.
Fora isso as contratações feitas até agora foram boas na minha opinião, uma boa prova disso foi dada hoje no Maracanã.
Com um time todo desfigurado o Flamengo estreou no Carioca 2010 contra o Duque de Caxias.
A equipe de Caxias, aproveintando uma estranha apatia que tomou conta do Flamengo durante todo o primeiro tempo, saiu na frente com Maurinho, ex-lateral direito do Flamengo, que agora, com 34 anos, está jogando no meio campo do Duque de Caxias.
Apesar dos vários desfalques o gol trouxe preocupação, ainda no primeiro tempo Willians saiu machucado e foi substituído pelo estreante Fernando, conhecido por muitos como irmão do Carlos Alberto, o volante foi contratado junto ao Goiás.
Com exceção de um bom chute de Kléberson o Flamengo não criou praticamente mais nada no primeiro tempo, destaque negativo para as apresentações de Obina e Everton Silva, ambos muito abaixo da média na minha opinião.
Na volta para o segundo tempo Andrade ousou, tirou Erick Flores e Léo Medeiros, este último estava improvisado na lateral esquerda, e colocou Bruno Mezenga e Vinícius Pacheco.
O time mudou muito, a apatia do primeiro tempo parece que foi embora e em menos de dez minutos veio a virada.
O primeiro gol saiu dos pés de Kléberson, após cruzamento rasteiro de Bruno Mezenga a bola passou pelo gol e sobrou pro pentacampeão marcar.
Pouco depois, ótima triangulação do zagueiro Álvaro, de Kléberson e do chileno Gonzalo Fierro que recebeu em profundidade dentro da área e virou o jogo.
Defensivamente Fierro não esteve tão bem, mas enquanto estava atacando sempre tentou criar oportunidades e foi premiado com esse gol, acho que sem dúvida o jogador que demonstrou mais raça nesse jogo foi ele, destaque positivo.
Só que logo depois da virada Álvaro foi expulso, algo que não é muito comum mas que infelizmente aconteceu, como o Flamengo já havia feito as três substituições alguns meiocampistas tiveram que recuar para ajudar David, o time de uma relaxada e o Duque de Caxias começou a pressionar e o pior aconteceu.
O empate. Veio aos 34, com gol do atacante John, que tinha acabado de entrar.
Depois disso o Flamengo voltou a atacar e num escanteio cobrado por Kléberson, aos 39, o estreante Fernando subiu bem de cabeça para dar números finais ao jogo, Flamengo 3 x 2 Duque de Caxias.
O estreante Fernando, não só pelo gol da vitória, mas pela sua atuação como um todo foi pra mim o melhor em campo, mas vale lembrar também Fierro, como já ressaltei e David, que com a
ajuda de Toró conseguiu segurar lá atrás sem Álvaro.
No mais é esperar agora a partida de quarta-feira contra o Volta Redonda, todos, ou pelo menos os mais realistas, deveriam esperar uma estreia sem um grande futebol, o time estava todo desfigurado e o Duque de Caxias não entrou pra perder. A única coisa a questionar, na minha opinião é essa apatia do time no primeiro tempo, sério mesmo, tava muito estranho ver o Flamengo jogar daquele jeito. Mas no intervalo Andrade deve ter botado ordem na casa e o segundo tempo foi infinitamente superior, embora ainda não tenha sido nada de extraordinário.
Os gols do jogo:

SRN

Flamengo – Tricampeão Carioca 2009

Emoção foi o que não faltou ontem, no segundo e decisivo jogo da final do Campeonato Carioca 2009.
Depois de um empate em 2 x 2 no primeiro jogo, Flamengo e Botafogo entraram em campo ontem em condições iguais, quem ganhasse seria campeão e em caso de empate a decisão iria para os pênaltis.
No primeiro tempo, apesar do Botafogo ter finalizado mais, quem conseguiu as melhores coisas foi o Flamengo.
Em duas finzalizações, dois gols. Ambos de Kléberson: no primeiro gol ele cabeceou para o meio da área e com a bola quase dentro do gol Angelim ainda chegou a tocar nela, mas o gol foi para o camisa 15. Já no segundo gol, após cobrança de falta ensaiada, Kléberson mandou um chutaço, que desviou em Alessandro e entrou no ângulo de Renan.
Na volta para o segundo tempo, logo no primeiro minuto, penâlti para o Botafogo. Victor Simões bateu e Bruno, de mão trocada fez a defesa.
Depois desse pênalti tudo indicava que o Flamengo venceria sem maiores preocupações, porém não foi bem assim.
Juninho, com um golaço de falta aos 16 e Túlio Souza aos 19 fizeram o que parecia impossível e empataram o jogo, aumentando ainda mais a emoção.
Depois disso o Flamengo começou a jogar mais e criou várias chances no fim da partida, mas nada de sair gol, a decisão iria mesmo para os pênaltis, assim como em 2007, com dois empates em 2 x 2.
E também como em 2007, na hora da dipsuta de pênaltis quem brilhou foi Bruno, já tinha catado o pênalti de Victor Simões no tempo normal e na disputa catou as cobranças de Juninho e Leandro Guerreiro, todos os batedores rubro-negros converteram e (assim como em 2007) o Flamengo foi campeão carioca em cima do Botafogo vencendo nos pênaltis por 4 x 2.
E, embora os campeonatos estaduais não tenham tanto valor nos dias de hoje, esse foi especial.
Afinal, agora o Flamengo, pela primeira vez na história se tornou o maior campeão carioca de todos os tempos, chegando a 31 títulos, ultrapassando o Fluminense que tem 30.
Além disso marcou também o Penta-tri rubro-negro, os outros foram em: 42/43/44; 64/65/66; 79/79 (2)/80; 99/00/01.
Os mais sensatos e menos emocionais vão dizer que não passa de futebol, e que a alegria do Penta-tri é breve, logo passará.
Isso pode até ser verdade, mas dentro do campo, numa final de campeonato decidida nos pênaltis, a paixão sublima a razão, e só quem torce de verdade sabe o que é poder gritar é campeão e dar aquela zoada com os adversários no dia seguinte.
Salve o Mengão Penta-tri!
E valeu Fábio Luciano!
O capitão se aposentou hoje, como já havia anunciado, ele que já teve boas passagens por outros clubes, mas foi com o Flamengo que ele se identificou mais, conquistou dois cariocas e foi peça fundamental da famosa arrancada de 2007. Além da enorme liderança que exercia sobre o grupo.
YNWA – SRN

O domingo dos camisas 9

O dia de ontem foi muito parecido para Flamengo e Liverpool.


No começo da tarde (as 14h, no horário brasileiro de verão) o Liverpool recebeu o Chelsea
de Felipão no Anfield Road com uma pressão enorme nas costas, nem eu nem nenhum outro
torcedor dos Reds aguentava mais ver o time empatar, foram tantos empates no mês de
janeiro que o Manchester United acabou assumindo a liderança da English Premier League.

Mas ontem, contra o Chelsea era o dia de ganhar.

E apesar de toda a pressão exercida durante boa parte do jogo, parecia que o que viria
seria mesmo mais um empate.

No começo do segundo tempo, a expulsão de Frank Lampard deu mais ânimo ainda ao Liverpool
que partiu pra cima do Chelsea.

O israelense Benayoun entrou bem, Kuyt, Torres e Gerrard incomodavam a meta de Petr Cech
mas o gol não saia.

Até que, aos 44 do segundo tempo, depois de muita espera, Fábio Aurélio cruzou da esquerda,
Fernando Torres se antecipou e cabeçeou pro fundo do gol do Chelsea, estava aberto o placar.

E logo depois, após falha de Ashley Cole, Benayoun roubou a bola, avançou e depois de uma
dividida, a bola acabou sobrando para “El Niño” Torres fazer o segundo e fechar o caixão
dos Blues.

Agora a vantagem do Man. United é de 2 pontos, mas o time de Sir Alex Fergunson ainda tem
um jogo a menos, apesar disso, depois dessa boa vitória sobre o Chelsea o Liverpool ainda
está na briga, e dá pra levar esse Campeonato Inglês sim.

Quem decidiu foi o CAMISA 9 Fernando Torres.

E um pouco mais tarde, as 17h, foi a vez do Mengão entrar em campo, pela 3ª rodada do
Campeonato Carioca, contra o Volta Redonda, em Volta Redonda.

Assim como nas duas primeiras rodadas o Flamengo não mostrou um bom futebol, teve várias
dificuldades pra se acertar dentro de campo e tomou alguns sustos do Voltaço.

Mas, também como tinha feito nas duas primeiras rodadas o Flamengo venceu novamente por um
gol de diferença.

E esse gol demorou pra sair, como no jogo do Liverpool.

Aos 42 do segundo tempo, Maxi fez boa jogada pela direita e cruzou, a bola passou por todo
mundo e sobrou na esquerda com Egídio que cruzou na área mais uma vez, dessa vez Josiel
antecipou e fez o gol.

Apesar das atuações fracas desse começo de temporada o Flamengo mantém o 100% de aproveitamento na Taça GB e caminha a passos largos para as semi-finais.

Foi o primeiro gol do artilheiro do Brasileirão de 2007, com a camisa do Flamengo, ele que
teve poucas chances na temporada passada entrou no segundo tempo e decidiu o jogo.

E assim como foi em Anfield, o CAMISA 9 decidiu.

E no caso do Flamengo isso é mais importante ainda.

Afinal Fernando Torres é um dos melhores, senão o melhor jogador do Liverpool, não precisa
provar nada a ninguém, já no Flamengo, apesar de algumas boas atuações de Souza,
principalmente na arrancada de 2007, há muito tempo que um camisa 9 não consegue se firmar
e fazer o que os camisas 9 geralmente fazem: gols.

Então é torcer pra que o Josigol possa realmente se firmar e que muitos outros gols saiam
dos seus pés, desde o começo da temporada acredito que o elenco do Flamengo tem muitos
bons jogadores meio “perdidos” dentro dele como Jônatas, Fierro e o próprio Josiel, é
preciso achá-los!

YNWA SRN

Flamengo 1 – 0 Friburguense


Assim como falei da estréia do Liverpool na temporada de 2009, falo agora da estréia do
Mengão.

Bem, não foi nenhum grande jogo, não tivemos nenhum grande destaque individual (talvez só
mesmo o veterano goleiro da Friburguense, Adriano, de 40 anos que catou muito ontem), mas
as estréias são quase sempre assim mesmo, sem muito brilho, afinal o time ainda está
voltando aos jogos e, por mais entrosado que esteja, leva laguns jogos até chegar ao seu
melhor jogo.

Depois de um primeiro tempo morno, logo no início do segundo tempo a Friburguense abriu o
placar com um gol legítimo do meia Victor Hugo, mal anulado pelo bandeirinha.

Antes de mais nada, colocar a arbitragem como fator determinante de qualquer resultado, pra mim é loucura, os árbitros, assim como os jogadores e todos nós erram, ontem erraram a favor do Flamengo, amanhã pode ser contra, então é melhor nem discutir sobre isso.

Voltando ao jogo, ainda no início do segundo tempo, aos 11, Juan puxou contra-ataque com um lançamento primoroso para Everton, que havia entrado no intervalo no lugar do Marcelinho Paraíba, o jogador ex-Paraná tabelou com Kléberson na entrada da área, mas, na hora da conclusão, furou. A bola sobrou pra Ibson que centrou a bola na área, Obina dominou, deu um belo giro e chutou, Everton dividiu com o goleiro Adriano e a bola acabou sobrando limpa para Juan, que tinha iniciado toda a jogada, fazer o primeiro gol do Flamengo em 2009, primeiro e único do jogo de estréia.

Na temporada passada Juan já era o maior destaque do time e começa a atual temporada muito
bem também, peça primordial dentro desse time.

É isso aí, depois de longas férias pra quem assiste futebol, os campeonatos estão de volta
e a minha torcida é pra que o Mengão conquiste de uma vez a Taça Guanabara, aproveitando o
entrosamento que o time tem (a base de 2008 foi mantida), dando assim mais tranquilidade
para a disputa da Copa do Brasil e já largando na frente na busca do 31º título carioca.

YNWASRN