Arquivo da categoria: Barack Obama

Os "acontecimentos" de abril/2009

Um terço do ano já se foi, 30 de abril, dia de post “acontecimentos” no Un Quimera.
Pra voltar ao costume dos dois primeiros meses, um político e outro esportivo:
Obama: Lula é o cara!

Essa frase gerou muita repercussão no mundo todo, e foi dita no dia 2 desse mês, num intervalo de uma das reuniões do G-20 (grupo dos 20 países mais ricos do mundo).
Antes de falar da frase especificamente, é bom falar o que foram essas reuniões do G-20 no início do mês, aifnal, sem elas, dificilmente a frase teria sido dita por Obama.
O motivo principal dessas reuniões é a crise mundial que assola a todos desde o segundo semestre de 2008. Foi o primeiro grande teste de Barack Obama como presidente estadunidense, desde sua posse foi a primeira reunião do G-20 que ele participou.
Basicamente as resoluções do G-20 decidiram que deverá ser feita uma vigilância econômica pelos países membros, pela Espanha e pela Comissão Européia, para que crises como a atual não voltem a acontecer. Além disso os 20 países mais poderosos decidiram também inejtar R$ 1 trilhão no FMI (Fundo Monetário Internacional), o dinheiro será usado para aumentar o caixa da instituição.
Como dá pra perceber as reuniões trataram de assuntos muito sérios e importantes para todo mundo, só que o grande acontecimento se deu em um momento de descontração quando Obama, em tom de ironia, brincando com o seu amigo Lula disse que ele é o cara.
Embora Lula atualmente não seja nem sombra daquele Lula de barba preta oposicionista e totalmente “canhoto” é legal ver essa ótima relação dele com o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, não que isso vá garantir muita coisa ao Brasil, mas pelo menos algumas risadas ao escutar uma frase dessas por exemplo) isso renderá.
A queda do Império
Esse subtítulo pode até indicar algo relacionado a imperadores ou impérios antigos, mas na verdade trata de um imperador que abdicou de seu “poder”, e esse imperador é Adriano Leite Ribeiro.
O Adriano, ex-Flamengo e São Paulo, que usava a camisa 10 da Inter de Milão e que também já passou pela Seleção Brasileira, sendo peça fundamental nas conquistas da Copa América de 2004 e da Copa das Confederações de 2005.
Adriano anunciou no dia 9 desse mês que resolveu “dar um tempo” no futebol, descansar um pouco, voltar as suas origens, na favela de Vila Cruzeiro no Rio de Janeiro e anunciou também que, diferente do que muitos estão dizendo por aí, ele não está com depressão e muito menos envolvido com drogas.
Este é um assunto muito delicado, que ganhou muitos comentários na imprensa em geral. Eu particularmente quando vou me informar ou escrever sobre jogadores de futebol procuro não ficar buscando coisas relacionadas a vida particular deles, me atenho ao futebol que eles jogam, neste caso do Adriano porém, é necessário abrir uma exceção, pois os motivos que o levaram a dar um tempo são extra-campo até porque dentro do campo, embora ele não estivesse jogando atualmente nada em comparação ao Imperador de 2004/05, ele ainda estava em bom nível, sendo convocado para a seleção inclusive.
Muitos estão julgando essa atitude de Adriano, acredito que isso não é interessante, pra mim, o que deve ser analisado em relação a esse acontecimento é que a vida de jogador de futebol também deve cansr, o que parece ser muito bom as vezes pode frustrar e cansar algumas pessoas, como foi o caso de Adriano, não deve ser fácil manter a cabeça no lugar, quando, com 20 e poucos anos se pode ter tudo o que quiser: fama, carro, dinheiro e mulher.
Por essas e outras é que Adriano acabou resolvendo dar um tempo, certa ou errada a atitude do ex-imperador é de homem, de quem soube valorizar as coisas realmente importantes pra ele, e foi sincero e honesto com ele próprio.
Torço pra que ele possa recuperar a alegria de jogar e voltar a jogar em breve, se for no Mengão, como estão especulando, melhor ainda.

Os "acontecimentos" de janeiro/2009

O primeiro mês do ano acaba hoje e, pra mim, dois grandes “acontecimentos” marcaram esse
janeiro de 2009.

A Posse de Obama


Sim, um deles não poderia ser outro senão a posse de Barack Hussein Obama na presidência
dos Estados Unidos da América. Não só a posse em si, mas tudo o que gira em torno desse
acontecimento.

Obama chega pra mudar muita coisa na política estadunidense e, consequentemente, na
política mundial também.

Não sou grande entendedor dessas coisas, mas do pouco que sei sobre isso penso que Barack
terá uma difícil missão pela frente: o legado que George W. Bush lhe deixa não é dos mais
animadores e a grande crise está cada vez mais flagrante em todos os setores da economia.

Do que li e ouvi sobre o assunto me marcaram algumas coisas.

Primeiro: O século XXI começou verdadeiramente no dia 20 de janeiro 2009, quando Obama se
tornou o presidente estadunidense, até então, o governo de Bush filho mostrava claros
sinais de conservadorismo, autoritarismo e arrogância, tomando posições muito
questionáveis em relação aos assuntos talvez mais importantes, como a questão do Oriente
Médio e a questão ambiental.

Segundo: Obama é um presidente pós-raça, meio difícil de explicar mas é mais ou menos assim:
Obama é o primeiro presidente negro dos Estados Unidos, isso é fato. Mas não foi por causa
da cor de sua pele que ele conseguiu vantagens ou desvantagens na sua caminhada rumo a Casa
Branca, ele tinha propostas e idéias muito além desse preconceito bobo, foram feitas até
algumas alusões a Martin Luther King.

E terceiro: Acredito mesmo que o mundo mudará. Nos poucos dias como presidente Obama já
tomou atitudes, como o fechamento da prisão de Guantánamo, novas práticas em relação a
poluição ambiental, fixação dos salários dos cargos mais altos dos funcionários da Casa
Branca. Esses são alguns exemplos das mudanças feitas por Obama até agora, boas ou más, são
mudanças, e acredito que a política estadunidense necessita disso, as atitudes de Bush não
eram das melhores.

É isso, sinto que de agora em diante quase tudo na mídia vai ser Obama, isso é só o começo.

A recusa de Kaká

Esse já é um assunto que eu conheço mais um pouco, tenho mais facilidade para falar.

Foi uma verdadeira novela.

O Manchester City, clube de pequena tradição no futebol mundial, sem nenhuma grande
conquista, mas que conta, de uns tempos pra cá com a grana do Sheik Mansour, em meados
de janeiro fez uma propsta oficial para o Milan para ter o seu camisa 22, o brasileiro Kaká.

Em relação ao valor da proposta oferecida já começam as controvérsias e já começam também
os sustos para quem vê isso de fora, é uma quantia absurda!

Já que falei de Obama e crise mundial logo acima, vale interligar os assuntos e lembrar que
a crise também atingiu o futebol, tanto que as transações nessa temproada 2008/09 não foram
lá tão grandes e numerosas como nas temporadas anteriores, mas o Sheik Mansour parece não
ter sido atingido pela crise, tamanha a proposta feita ao Milan.

Sem mais rodeios, ao que tudo indica a verdadeira proposta foi essa: 105 milhões de libras!

Como já disse, um valor absurdo, ainda mais em tempo de crise.

Pois bem, o chefão do Milan (Silvio Berlusconi) pelo jeito já tinha aceitado a proposta,
como faria qualquer outro dirigente, só faltava o sim de Kaká, que no City ganharia um
salário tão astronômico como a oferta feita por ele, mas Ricardo (esse é o verdadeiro nome
de Kaká) disse NÃO.

Contra todas as expectativas, ele preferiu a força e a história gloriosa de títulos do
rubro-negro italiano, a paixão da torcida rossonera e a estabilidade que tem na Itália do
que uma aventura na Terra da Rainha, cheia de incógnitas, num time pequeno, mas que ficou
rico de uma hora pra outra.

Fez bem o Kaká?

Acredito que cada um pensa da sua maneira e pode decidir se Kaká fez bem ou não, mas na
minha opinião ele fez foi MUITO bem!

Talvez ele seja um dos últimos jogadores da história que preferem uma carreira de sucesso,
no time onde é feliz e idolatrado do que uma carreira de dinheiro, jogando em qualquer
time e ganhando qualquer título.

E lá se vai janeiro…