Arquivo mensal: janeiro 2012

QuimeraTube #50

Aproveitando que ontem eu enfim consegui comprar meu ingresso pro último show da turnê de 15 anos de banda desses caras, o QuimeraTube de hoje é hermaníaco:

Le Rouge et Le Noir #13

Hoje é dia do primeiro post da série Le Rouge et Le Noir do ano. E é também dia da estreia do Flamengo na Copa Libertadores 2012. Como conquistou a vaga através da quarta posição no Brasileirão do ano, o Flamengo, diferentemente do atual campeão da Libertadores Santos, do Corinthians, do Vasco e do Fluminense e a exemplo do Internacional, tem que disputar a chamada Pré-Libertadores, para só então entrar de fato na fase de grupos da maior competição de clubes da América.

Só que desde a conquista dessa vaga no Brasileirão do ano passado muita, mas muita coisa já aconteceu com o Flamengo e a maioria dessas coisas não foi nada interessante para o rubro-negro. Por mais estranho que isso possa parecer, o que mais se falou nessa pré-temporada foi crise. Salários atrasados, polêmicas de jogadores, treinador e comissão técnica, etc.. pra completar o Flamengo perdeu dois de seus principais jogadores da temporada passada: Alex Silva foi o primeiro, ele até jogou os dois amistosos de preparação que o Flamengo realizou, contra Londrina e Corinthians, em Londrina, mas depois, quando o time viajou para a Bolívia para já ir se preparando para o confronto de hoje contra o Real Potosí ele simplesmente preferiu não viajar. O jogador não joga mais pelo Flamengo, deve ser emprestado ou vendido. A outra saída foi de Thiago Neves. O meio-campista, que talvez tenha sido o principal jogador do Flamengo na temporada passada protagonizou talvez a maior das “novelas” desse chato período de contratações e acabou acertando com seu ex-time, o Fluminense.

Foi com esse cenário nada agradável que o Flamengo fez sua estreia no ano, no último sábado, pelo Campeonato Carioca. Mas foi justamente aí que as coisas parecer ter começado a mudar e a mudar pra melhor. O Flamengo atropelou o modesto Bonsucesso por 4 x 0, jogando com uma esquipe B, que contava com 7 jogadores da base entre os titulares, o time jogou bem e, por mais modesto que seja o Bonsucesso, mostrou que tem jogadores ali que podem ser de muita ajuda para a equipe A, o time titular. A valorização e as oportunidades para a base são muito bem vistas por mim e acredito que por boa parte da torcida do Flamengo também, essa geração foi campeã da Copa São Paulo de Futebol Júnior no ano passado e conta com jogadores que tem tudo para ficarem marcados na história do clube, cito, como exemplo Luiz Antônio, Negueba, Adryan…

Hoje, agora pouco, outra notícia interessante: a volta de Vagner Love está concretizada. O “artilheiro do amor” retorna à Gávea depois de uma passagem rápida no primeiro semestre de 2010, onde não conquistou nenhum título, é verdade, mas onde marcou muitos gols. Além dele, o Flamengo acertou também com o zagueiro chileno Marcos González, ex-La U, que chega para preencher a lacuna deixada por Alex Silva.

Quer dizer, depois de um começo de temporada que parecia catastrófico, as coisas aos poucos parecem ir se acertando e tomando um rumo mais agrádavel para o Flamengo, isso, de maneira nenhuma, pode ser sinônimo de comodismo ou coisa parecida por parte da diretoria e dos jogadores, os problemas ainda continuam existindo e ainda são muitos, porém todos esses problemas (a maioria deles extra-campo) não podem tirar o foco do Flamengo dentro das quatro linhas e esse foco não pode ser outro que não conseguir um bom resultado hoje a noite e na quarta que vem, no Engenhão, conquistar definitivamente a vaga na Libertadores, para enfrentar na fase de grupos Emelec, Olimpia e Lanús.

Enfim, esse foi um resumo rápido do panorama desse início de 2012 pro Flamengo, hoje a noite tudo o que importa é o jogo dentro das quatro linhas, qualquer coisa extra-campo tem que ser posta de lado e a concentração ir toda pra essa partida, depois de tanta crise, contratação e afins, o que menos se falou foi a geralmente tão falada altitude de Potosí, a 4.800 metros o Flamengo tem que jogar tudo e mais um pouco e tentar voltar das alturas pensando alto, porque apesar de toda badalação pros lados de lá, toda a “não-crise”, todas as contratações bombásticas, toda a arrogância, o Flamengo devagarinho, devagarinho pode chegar longe.

SRN

Sempre um livro

O post de hoje é uma espécie de propaganda de um outro blog, blog este que está dando seus primeiros passos e conta também com contribuições minhas.

Deixa eu explicar melhor: em abril do ano passado, a convite do comentador mais ativo do Un Quimera, o grande Ivan Bilheiro, entrei em um grupo de leituras, que a princípio não tinha nome, nem nada.

O grupo surgiu e foi crescendo. Todos os primeiros sábados do mês eram data pra discutir a obra do mês, escolhida sempre no mês anterior. De Simone de Beauvoir a Clarice Lispector, passando por Lourenço Mutarelli, Italo Calvino, Dostoiévski, Voltaire, Cristóvão Tezza, Gilles Deleuze e Guimarães Rosa, muita coisa já foi lida, discutida, comentada e com o tempo o grupo adquiriu um nome – Sempre um livro – e também um blog.

A ideia do blog, entretanto, ficou por um tempo estacionada e agora, no começo de 2012, foi retomada.

Essa retomada se deu com um texto meu sobre o autor que estamos lendo no momento, Goethe. A obra em questão, Fausto, terá seu post no mês que vem, por enquanto deixei lá um pequeno texto sobre o autor, que reproduzo aqui pra colaborar ainda mais com o “post-propaganda”:

O multifacetado J. W. Goethe

“Quanto errei, quanto vivi,
Quanto aspirei e sofri,
Só flores num ramo — aí estão;
E a velhice e a juventude,
E o erro e a virtude
Ficam bem numa canção.”

(Aos Leitores Amigos – J. W. Goethe)

Caros amigos do Sempre um livro e demais leitores, inicio hoje, de fato, as atividades deste blog. Criado há quatro meses, devido a várias outras atividades desenvolvidas pelos membros do grupo (o sempre corrido fim de período talvez tenha sido a principal delas), ainda não teve muitos textos publicados. Agora em 2012 dou o pontapé inicial, falando um pouco do autor que estamos lendo no momento: Johann Wolfgang von Goethe (1749-1832).

A obra dos meses de dezembro, janeiro e fevereiro é Fausto e terá comentários mais específicos sobre ela em breve, por enquanto o foco é no autor, Goethe. Nascido a 28 de agosto de 1749, em Frankfurt, Alemanha, Goethe é marcado por uma dupla precocidade e também por um caráter multifacetado, foi, além de poeta, um amante da filosofia e da ciência, fazendo incursões em ambos os campos.

A dupla precocidade se dá no campo literário e sentimental. Recebeu influências da literatura francesa, de escritores como Molière (1622-1673), Racine (1639-1699), Voltaire (1694-1778) e já aos dez anos começou a esboçar seus primeiros versos. O detalhe é que a literatura alemã de sua época de criança era muito pouco prestigiada em toda Europa, o que Goethe ainda não sabia era que ele e mais alguns autores contemporâneos a ele mudariam e muito essa fama, muito em virtude do movimento que ficou conhecido como Sturm und Drang (Tempestade e Ímpeto), que se opunha ao Iluminismo, tão em voga na época e que acabou servindo de porta de entrada para o Romantismo. Também cedo Goethe teve suas primeiras paixões, seus encontros e desencontros amorosos influenciaram de maneira bem forte suas obras, em especial aquela que marcou definitivamente Goethe na literatura do século XVIII: Os Sofrimentos do Jovem Werther (1774).

Pouco depois da publicação de Werther, em 1775, Goethe é convidado pelo Duque Carlos Augusto (1757-1828) para administrar o ducado de Weimar. Nesse posto Goethe passa boa parte de sua vida e as publicações de livros e poemas não param (assim como suas aventuras amorosas).

Na última década do século XVIII, Goethe tem boa parte de suas funções administrativas no ducado de Weimar retiradas, e começa a se ocupar com assuntos relacionados à Universidade de Iena. É aí que ele terá um contato mais direto com a filosofia da época, vários nomes podem ser citados, como os de Fichte (1762-1814), Herder (1744-1803), Schiller (1759-1805) e, em especial, Schelling (1775-1854), de quem foi tutor e admirador em Iena. O interesse de Goethe pela filosofia tinha fortes relações com a poesia, mas também versava sobre assuntos muito em voga na época, a questão do panteísmo, do ateísmo e os desdobramentos pós-kantianos que o chamado Idealismo Alemão iria tomar.

Esse período também foi de muito interesse pela ciência. Goethe fez inúmeros estudos de botânica e ciências naturais em geral e publicou, em 1805, sua Teoria das Cores.

É no período final de sua vida, entretanto, que Goethe escreve a obra que estamos lendo. O Fausto de Goethe tem duas partes, a primeira publicada em 1808 e a segunda em 1830. Os conhecimentos científicos e também de alquimia e ocultismo adquiridos durante sua vida, além da filosofia do Idealismo Alemão e toda sua poesia estão reunidos nesta que talvez seja sua principal obra. “Para o Dr. Fausto o homem pode saber mais, muito mais. Nem que para isso seja necessário aliar-se a um anjo das trevas, o terrível Mefistófeles”. (MEIRA, 1983).

Goethe encontra a morte dois anos depois da publicação do segundo Fausto, em 1832. O que não dá pra deixar de citar é aquela que a história diz ter sido a última frase pronunciada pelo poeta: “Abram a janela do quarto, para que entre mais luz”. Entre a luz e as sombras, Goethe se posicionou de maneira múltipla e intensa dentro da história da cultura ocidental.

O recado era esse. Então, você, leitor do Un Quimera, já sabe né? Leia também o Sempre um livro! E que continuemos assim, sempre com um livro, pra comentar, pensar, discutir…

A festa de São Gonçalo do Jururu

Hoje, 10 de janeiro, é dia de São Gonçalo do Amarante. O referido santo é o padroeiro da minha cidade, São Gonçalo do Sapucaí-MG. Todos os anos do primeiro dia do ano ao dia 10 é comemorada a festa de São Gonçalo, com missas, quermesses e afins. Como vivo todo esse ambiente há vinte anos e penso que a história de São Gonçalo do Amarante é muito interessante, resolvi escrever um conto que de certa forma fala um pouco sobre tudo isso e sobre algumas outras coisas. É possivelmente o post mais longo da história do Un Quimera, então prepare-se para ler e sinta-se a vontade para comentar a história da festa de São Gonçalo do Jururu, a história do Zé da Vaca Preta:

A festa de São Gonçalo do Jururu*

“Enquanto isso Deus brinca de gangorra no playground

Do céu, com os santos que já foram homens de pecado.”

Zeca Baleiro

9 de janeiro.

É noite do dia 9 de janeiro em São Gonçalo do Jururu. Chove. Por entre os becos e vielas escuras dos recantos mais obscuros da cidade, encontra-se o Bar do Seu João. Seu João é um senhor de idade já avançada, natural de São Gonçalo do Jururu e que toca seu singelo bar há um bom tempo. Aberto quase que 24 horas por dia (como se fosse uma grande multinacional de fast food), o Bar do Seu João conta com a cerveja mais barata da cidade e com os salgados e petiscos mais gordurosos. Cadeiras e mesas plásticas, cedidas pelo distribuidor de cerveja algumas décadas atrás permanecem sendo a decoração do lugar. Uma mesa de sinuca bem antiga também fica por ali. Os tacos, curiosamente, se assemelham muito a cabos de vassoura. Além disso, a famosa dose de cachaça pelo surreal preço de vinte e cinco centavos não pode ser esquecida, é talvez a principal atração do bar.

Nessa noite o bar não está lá tão cheio, o que não é novidade. Dois ou três ébrios jogadores de sinuca ficam ali com seus copos de cerveja e seus “cabos de vassoura”. Além deles, uma dupla de intelectuais universitários, que julgam adquirir um status mais “cult” e “underground” por freqüentarem o Bar do Seu João, compartilham experiências do último período da faculdade. E pra fechar o público, não poderia faltar o dono do bar, o incansável Seu João e uma figura presente no folclore de São Gonçalo do Jururu: o inigualável Zé da Vaca Preta.

A origem do codinome Zé da Vaca Preta remonta aos tempos em que esse Zé ainda morava no ambiente rural de São Gonçalo do Jururu. Desde cedo ele foi um homem muito inclinado para o lado alcoólico da vida. Numa de suas bebedeiras escondidas no rancho da família Menezes (a família mais poderosa de São Gonçalo do Jururu), onde Zé era jardineiro, ele montou em uma vaca preta no meio do pasto e como a porteira estava aberta ele saiu descontrolado rancho a fora, parando só dentro da piscina, onde Roberto Menezes, o patriarca da família Menezes, fazia besteirinhas com sua mais nova amante. A história repercutiu por toda São Gonçalo do Jururu e além de risos e mais risos, comentários e mais comentários, também foi a causa da demissão de Zé, que daí em diante ficou conhecido como Zé da Vaca Preta, montou um barraco nas redondezas do Bar do Seu João e passou a ser o freqüentador mais assíduo do tal bar.

Nessa noite, pra variar, Zé da Vaca Preta contava histórias pra Seu João, já cansado de ouvi-las, e pedia suas doses de cachaça pelo surreal preço de vinte e cinco centavos. Até que surge uma nova figura no Bar do Seu João, equilibrando-se com uma mão em cima de uma bicicleta barra forte e segurando um guarda-chuva com a outra mão. Era Tião, o sacristão da Igreja Matriz de São Gonçalo do Jururu. Que chega e diz:

– Pai – Tião, filho de João, esqueci-me de dizer – tem muito serviço amanhã na Igreja, já é dia de São Gonçalo do Amarante de novo, nosso santo padroeiro. Vou tirar um cochilo e de manhãzinha já volto pra Igreja pra começar a arrumar as coisas.

Seu João, preocupado com o cansaço do filho, mas também demonstrando toda sua fé em São Gonçalo logo responde:

– Meu filho, você tem que descansar, você tá trabalhando demais nesses dias da novena, sei que é preciso ajudar na festa do nosso santo padroeiro, mas desse jeito você não agüenta. Vai comer alguma coisa e dormir.

Devido às pequenas dimensões do Bar do Seu João todos os presentes escutam o diálogo entre pai e filho. As reações são das mais diversas. Os jogadores de sinuca logo lembram que amanhã precisam ir à missa de qualquer maneira, afinal, é dia de São Gonçalo e vão pensando em como conciliar a santa sinuquinha deles e a distante missa de São Gonçalo. Os intelectuais universitários, tão inteligentes e tão ignorantes ao mesmo tempo, logo se irritam com o papo católico e começam a falar de um pensador ateu qualquer, minto, começam a inventar e/ou reproduzir teorias nietzscheanas de cunho totalmente ateu, sem nem saber ao certo o que disse o pensador alemão sobre as religiões, o ateísmo e etc.

Já Zé da Vaca Preta logo se intromete na conversa familiar dizendo:

– Eita porra! Nos meus tempos de coroinha as coisas aqui em São Gonçalo do Jururu eram bem diferentes! A cidade parava no dia de São Gonçalo, todos iam à procissão, as senhoras decoravam as ruas e a igreja, os coroinhas ajudavam o padre Cristóvão e cantavam junto com o coral o hino de São Gonçalo – nesse momento como que iluminado por não sei o quê, Zé da Vaca Preta interrompe sua fala e começa a cantar – São Gonçalo salvai este povo, de quem sois lá no céu protetor, dai-lhes fé, vida, amor, sangue novo, dai-lhes bênçãos de nosso Senhor! – volta a falar, com nostalgia no olhar – ah, hoje em dia isso não existe mais! O povo não quer mais saber de missa, de santo, de nada! Você tinha que dar um jeito nisso Tião, fala com esse padre novo aí!

A irritação de Tião foi notável, ele que praticamente vive dentro da Igreja, dando todo seu suor para organizar missas, procissões e afins se sentiu verdadeiramente humilhado por Zé da Vaca Preta, sempre que alguém falava que “na minha época”, “no meu tempo”, a Igreja aqui era mais forte e mais viva, Tião sentia uma profunda tristeza. Querendo ou não era um insulto direto ao seu trabalho. Mas o filho de Seu João, ao invés de partir pra ignorância, ou querer revidar de qualquer maneira o comentário de Zé da Vaca Preta, parou e pensou um pouco, canalizou toda a raiva e toda tristeza e então disse:

– Zé, você tá é certo. Só eu sei o duro que dou pra fazer essa novena ir pra frente, pra fazer as procissões prosseguirem, os violões ressoarem nos ouvidos das pessoas, enfim, pra fazer com que isso tudo não se acabe. – percebe-se a emoção de Tião, algumas lágrimas parecem escorrer em seu rosto – O padre Emanuel, nosso pároco, também faz de tudo, ele é um homem santo, mas agora ele tá com os queijos e vinhos dele, e eu aqui ouvindo você dizer tudo isso da nossa festa. É difícil Zé!

Seu João, percebendo a tristeza do filho pensa em expulsar Zé da Vaca Preta dali, por ter causado tudo isso, as outras pessoas do bar se assustam quando Seu João começa a dar socos e pontapés em Zé da Vaca Preta, que indefeso, já ia saindo do bar, mas Tião intercede e diz:

– Pai, não precisa disso! – e virando-se pra Zé da Vaca Preta, com certo receio no fundo, mas com muita coragem nas palavras propõe – Já que você está tão preocupado assim com a beleza da festa de São Gonçalo porque você não aparece lá na igreja amanhã, pra participar da procissão de entrada?

Zé da Vaca Preta parece não acreditar no que acabou de ouvir. Assim como todos os outros presentes. É que além da famosa história da vaca preta, o tal Zé da Vaca Preta também carregava consigo outra história muito famosa. Já depois de ter se tornado Zé da Vaca Preta, numa das missas da festa de São Gonçalo, num longínquo 10 de janeiro, ele, depois de várias cachaças entrou na Igreja Matriz praticamente pelado, bem no meio da missa, gritando como um louco, algumas pessoas o contiveram e tiraram dali, mas a missa, que contava com o bispo da paróquia e outros figurões do clero, ficou pra sempre marcada na história de São Gonçalo do Jururu, talvez a partir dali é que o fervor religioso de boa parte da população diminuiu e daquele dia em diante Zé da Vaca Preta nunca mais tinha entrado na Igreja Matriz.

Seu João logo disparou contra seu filho:

– Tião, você tá ficando louco, meu filho? Até parece que não sabe a vergonha que esse rapaz fez a nossa cidade passar numa missa de São Gonçalo alguns anos atrás! Pensa bem, convidar ele pra participar da procissão de entrada ainda por cima? Só falta falar que é pra representar São Gonçalo, né?

De bate pronto o filho diz ao pai:

– É exatamente isso que eu pensei pai! Sei de tudo que ele já fez de ruim pra nossa cidade, principalmente pra nossa igreja, mas isso que ele falou aqui hoje é verdade, dói escutar, mas eu sei muito bem disso, e como sou eu, lá na sacristia que acabo resolvendo e fazendo muita coisa acontecer, resolvi fazer essa proposta também, é aí, Zé? Topa?

Zé da Vaca Preta ainda parece anestesiado com a proposta. Como ele mesmo disse, na sua infância havia sido coroinha e por mais alcoólica e pagã que tenha sido sua vida posteriormente ele sempre carregou consigo esse forte catolicismo. O episódio de sua “invasão” à Igreja foi extremamente doloroso pra ele também, que até hoje não se perdoa por ter feito aquilo. Ele respira fundo, arrota a cachaça de preço surreal e responde pra Tião:

– Tião, eu só posso dizer sim, eu quero me redimir perante o povo, perante nosso Senhor Jesus Cristo!

Da Igreja Matriz se escuta a primeira badalada do dia 10 de janeiro, zero hora. Aquele 10 de janeiro nunca mais seria esquecido em São Gonçalo do Jururu.

10 de janeiro. Dia de São Gonçalo do Amarante, padroeiro de São Gonçalo do Jururu.

O dia amanhece chuvoso e permanece assim durante um bom tempo. A chuva castiga São Gonçalo do Jururu e entre uma enchente e outra nos barracos mais periféricos da cidade, Zé da Vaca Preta no seu singelo e desgastado barraco começa a se preparar para o dia que marcaria a sua redenção perante o povo, perante Jesus Cristo.

Porém ele mal sabia que a missão mais complicada do dia estava nos ombros de Tião. O filho de Seu João ouviu muito de seu pai pra mudar de ideia e não levar Zé da Vaca Preta pra representar São Gonçalo na procissão de entrada da missa. Mas Tião não escutava seu pai, estava decidido a cumprir sua promessa e pensava em como iria fazer aquilo. Afinal, o padre Emanuel e todos os outros organizadores da missa, assim como Seu João, não aceitariam de maneira nenhuma a participação de Zé da Vaca Preta na missa de São Gonçalo, ainda mais como São Gonçalo.

Logo no seu primeiro encontro do dia com o padre Emanuel, pela manhã, Tião diz:

– Seu padre, deixa eu te falar, aquele negócio de arranjar alguém pra representar São Gonçalo na procissão de entrada da missa de hoje vai acontecer mesmo? É porque tá difícil de conseguir alguém, sabe, o povo hoje em dia não anda lá muito animado com as coisas da Igreja, o senhor sabe como é…

Padre Emanuel logo responde:

– Então Tião, tá complicado mesmo. Só que essa ideia da Dona Lourdes de colocar alguém com viola e túnica representando São Gonçalo na procissão de entrada foi muito interessante, acredito que isso engrandeceria ainda mais a nossa celebração, o bispo vai estar aí, sabe como é né? Sempre bom fazer algo mais bonito e vistoso.

Tião então joga a isca:

– Pois é padre, eu também achei muito bonita essa ideia da Dona Lourdes – Dona Lourdes era uma daquelas senhoras que ainda possuem todo o fervor católico dentro de si, reza três terços por dia e está sempre ajudando com as celebrações – a única pessoa que eu consegui falar até agora é um senhor que mora lá perto de casa, ele é um homem muito religioso e muito simples, quando falei sobre isso de alguém representar São Gonçalo na procissão de entrada ele ficou muito animado, só que ele é muito tímido também, aí eu pensei: será que se ele entrasse com uma túnica e com o rosto coberto por algum pano ou coisa do tipo ficaria muito fora do que o senhor e a Dona Lourdes tinham imaginado?

Padre Emanuel acha a ideia de Tião bem estranha, pensa um pouco e diz:

– Olha Tião, isso seria meio estranho né? Até porque todos sabem que uma das características da imagem de São Gonçalo é a imponente careca dele, porém existem algumas imagens em que São Gonçalo está com um chapéu e a viola, apesar de serem pouco conhecidas essas imagens também são muito bonitas, se de todo caso você não conseguir achar mais ninguém traga esse rapaz mesmo, com o rosto encoberto. Vem cá agora pra eu te mostrar de perto essa imagem de São Gonçalo com chapéu e viola e depois vamos arrumar as coisas, temos muito trabalho hoje ainda até na hora da missa.

Tião sorri, acreditando que seu plano agora tem tudo pra dar certo, vai ver a imagem junto com o padre e arrumar as outras coisas. Pouco antes da missa volta pra casa pra comer alguma coisa e ir falar com Zé da Vaca Preta sobre a procissão de entrada, sobre como seria tudo. Nem precisou ir muito longe, Zé da Vaca Preta já estava no balcão do Bar do Seu João, tomando mais uma dose de cachaça de preço surreal.

Tião vai logo explicando pra Zé da Vaca Preta:

– Zé, não foi fácil fazer com que você representasse São Gonçalo na missa de hoje, se as pessoas soubessem que seria você ninguém permitiria, mas eu fiz de tudo pra ser você. Falei com o padre Emanuel que conseguiria levar um senhor aqui do bairro pra ser São Gonçalo, mas que esse senhor é muito tímido e por isso ele entraria com algo cobrindo o rosto, assim você pode representar São Gonçalo e mostrar pra mim e pra todo mundo que se redimiu, mas os outros não podem ficar sabendo disso, porque senão eu tô ferrado! Entendeu bem?

Zé da Vaca Preta bebeu outra dose de cachaça em um trago só e respondeu pra Tião:

– Entendi muito bem, Tião. Muito obrigado por me dar esse chance, não vou te decepcionar! Ah, olha aqui que bonita! – Zé da Vaca Preta mostra pra Tião uma velha viola, que estava encostada ali do lado do balcão – essa viola tem muita história, é uma das poucas coisas que eu tenho lá no meu barraco e eu queria levar ela pra ser a viola de São Gonçalo, posso?

Apesar do estado da viola não ser dos melhores, Tião mais uma vez se surpreende com a devoção de Zé da Vaca Preta e consente. Tião pega sua barra forte e vai direto pra Igreja, combina com Zé da Vaca Preta pra eles se encontrarem nos fundos da igreja, atrás da sacristia, ali Tião vestiria Zé da Vaca Preta com a túnica de São Gonçalo e usaria um pano pra esconder seu rosto.

A chuva parou. O bispo chegou a São Gonçalo do Jururu. O povo foi enchendo a Igreja Matriz e a procissão de entrada ia tomando forma. À frente, três coroinhas, com uma grande cruz ao centro e duas velas nos lados. Depois mais dois coroinhas, com turíbulo e naveta, este jogando incenso e fazendo as senhoras tossirem, aquela servindo de combustível para o primeiro, pedrinhas de incenso importadas da Grécia eram o combustível. Logo atrás viria uma pequena representação, com duas crianças representando anjos do Senhor e ele, o santo padroeiro de São Gonçalo do Jururu, São Gonçalo do Amarante, com sua viola e um estranho pano cobrindo o rosto. Logo atrás leitores, ministros extraordinários da sagrada eucaristia, mais alguns coroinhas, padre Emanuel, padre Josenir e por fim o digníssimo bispo da paróquia jurururense, Dom Marco Pólo.

A Igreja lotou, cantores e músicos começaram a entoar o belo hino de São Gonçalo, entoado na noite anterior por Zé da Vaca Preta, e a procissão de entrada começou a andar. No canto do altar, Tião observava com atenção e preocupação, qualquer besteira de Zé da Vaca Preta e ele estaria pra sempre condenado perante a população de São Gonçalo do Jururu, assim como aconteceu com o próprio Zé da Vaca Preta algum tempo atrás.

Já Zé da Vaca Preta, por sua vez, embaixo da túnica de São Gonçalo e daquele pano por sobre o rosto, lembrava-se do dia em que, completamente bêbado, entrou naquela mesma Igreja, quase nu, gritando coisas que ele nem se lembra – relatos dizem que eram trechos de canções da extinta banda “É o Tchan” – até hoje ele não se perdoara por aquele dia, e o fato dele nunca mais ter pisado naquela igreja era, além de uma reprovação da população, também uma espécie de autopunição que ele próprio se deu. Quando ele ouviu a proposta de Tião pra representar São Gonçalo percebeu que Tião tinha um coração puro, que estava fazendo aquilo por pura compaixão, sabendo que ele poderia sim se redimir, o fato dele ter que entrar com aquele pano cobrindo o rosto pouco importava, ele sabia que ali, naquele momento, a cada passo que ele dava em direção ao altar, com sua querida viola em punho, sua redenção particular e interior ia se consumando. Zé era um pagão, Zé era o bêbado taxado de louco por toda população de São Gonçalo do Jururu, Zé era um zero a esquerda, como diz o ditado popular, mas Zé agora também era São Gonçalo de Amarante, o santo que se vestia de mulher pra converter as prostitutas, o santo que cantava, dançava, bebia e que em “mil duzentos e pouco” (como diz de maneira linda o seu próprio hino) recebeu da Virgem Maria uma revelação, que lhe dizia o dia de sua morte, daí em diante ele doou tudo o que tinha e viveu em completa reclusão, “só com Jesus ele quis viver”, e com Jesus ele foi viver, a 10 de janeiro de 1262.

Enquanto isso, no atual 10 de janeiro, Zé da Vaca Preta ia chegando cada vez mais perto do altar e por baixo do pano que escondia seu rosto, mas não seu olhar, Roberto Menezes, Dona Lourdes e todas as outras grandes figuras da “high-society” de São Gonçalo do Jururu iam percebendo, naquele olhar, que quem estava ali, representando o seu santo padroeiro, parecia ser um antigo conhecido. A procissão de entrada acabou. A missa começaria e duraria um bom tempo: saudação inicial, ato penitencial, hino de louvor. Leituras, evangelho, homilia, profissão de fé, preces, oração eucarística. Comunhão, sorteio de imagem de São Gonçalo, agradecimentos, agradecimentos e mais agradecimentos e por fim a bênção final. Esse é mais ou menos o esquema de uma missa festiva em São Gonçalo do Jururu. Durante praticamente todo esse tempo, porém, Tião e Zé da Vaca Preta ficaram do lado de fora da sacristia, num cantinho conhecido mesmo só por Tião e um ou outro coroinha e dali exultavam de alegria, o plano fora concluído com sucesso e ambos se sentiam realizados!

Tião disse:

– Muito obrigado, Zé! As suas palavras ontem a noite no bar do meu pai fizeram com que eu percebesse que muito do que você falou é mesmo verdade e tomasse essa decisão de te chamar pra viver, ainda que por apenas alguns segundos, o nosso santo padroeiro, São Gonçalo de Amarante!

Zé da Vaca Preta, emocionado, disse a Tião:

– Ô, Tião, eu é que te agradeço. Você não tem noção do que significou esse momento pra mim. Foi lindo! Eu entendi que não poderia expor meu rosto pra todo mundo, senão você teria muitos problemas e eu sei que amanhã tudo vai continuar como está. Dificilmente esse povo vai voltar a ser de fato um povo de Deus, com uma fé fervorosa, eu sei que amanhã o Roberto Menezes vai tá atrás de uma cocotinha nova, eu sei que amanhã a Dona Lourdes vai tá aqui na igreja cedinho, rezando pra não sei que santo, que o padre Emanuel vai tá comendo seus queijos e bebendo seus vinhos, sei de tudo isso, mas sei também que hoje eu me redimi, hoje eu pisei de novo nessa Igreja, hoje eu fui São Gonçalo!

A conversa emocionada dos dois continuou por um tempo, até que Tião, pra não perder o costume, teve que ir resolver algum pepino no meio da missa, Zé da Vaca Preta tirou a túnica de São Gonçalo e ficou no fundo da Igreja, ouvindo tudo o que diziam o padre Emanuel e o bispo Dom Marco Pólo, até a missa acabar. Assim que a missa acabou e a multidão foi se dispersando para a praça, pras quermesses, bingos e similares do último dia da festa de São Gonçalo do Jururu, ao som dos fogos de artifício e dos congados, Zé da Vaca Preta, devagar, bem devagarzinho foi carregando sua viola, rumando para o Bar do Seu João.

No meio do caminho, encontrou dois rapazes, que depois de terem ido à missa por pura obrigação, agora iam buscar o que eles consideravam ser a verdadeira felicidade: bebidas caras, carros descolados, meninas vazias e músicas descartáveis, além é claro das roupas e tênis de marca, tudo isso junto e misturado. Ao avistarem Zé da Vaca Preta camuflaram a risada e perguntaram pra ele, em tom de deboche:

– E aí Seu Zé, por que você não invadiu a igreja esse ano de novo?

Zé da Vaca Preta olhou pra aqueles dois rapazes e apenas sorriu. Foi um dos sorrisos mais edificantes e puros de sua vida, um sorriso que devolvia todo o deboche jogado pra cima dele, e deixava os dois rapazes com uma cara de quem não entendeu nada. Depois de ter conseguido dar essa sorriso com toda sinceridade e espontaneidade possível, Zé da Vaca Preta se convenceu de vez que tinha se redimido e até apressou o passo pra chegar logo no Bar do Seu João, comemorar o lindo dia que começava a se despedir, contando as moedas de vinte e cinco centavos perdidas no bolso.

*Qualquer semelhança com a realidade é mera coincidência. É tudo ficção. A única realidade é em relação à história de São Gonçalo de Amarante.

QuimeraTube #49

O primeiro QuimeraTube do ano vem com uma palhinha desse rapaz que em breve estará de volta no Un Quimera…

Itamar Assumpção e sua dor elegante:

Os números de 2011

Os duendes das estatísticas do WordPress.com analisaram o desempenho deste blog em 2010 e apresentam-lhe aqui um resumo de alto nível da saúde do seu blog:

Os Números

Um comboio do metrô de Nova Iorque transporta 1.200 pessoas. Este blog foi visitado cerca de 6.200 vezes em 2011. Se fosse um comboio, eram precisas 5 viagens para que toda gente o visitasse.

Em 2011 foram publicados 91 novos artigos, aumentando o arquivo total para 302 artigos. Foram carregadas 27 imagens, ocupando um total de 9mb. São cerca de 2 imagens por mês.

O dia com mais tráfego foi 28 de fevereiro, com 88 visitas. O artigo mais popular nesse dia foi Grandes Personagens – IV – Catherine Tramell (Sharon Stone).

Como o encontraram?

Os sites que mais o mencionaram em 2011 foram:

Alguns visitantes vieram à procura, sobretudo por quimerasharon stonebenzedrinaditadura militar no brasil, e coruja de minerva

Quem foram?

O seu artigo mais comentado em 2011 foi Transporte Coletivo

Os 5 comentadores mais ativos:

  • Ivan 13 comentários
  •  Luana 7 comentários
  • Maria Eugênia 4 comentários
  •  Talita de Assis 3 comentários
  • Estela 2 comentários

Atrações em 2011

Estes são os artigos mais visitados em 2011. Pode também consultar os artigos mais visitados na sua página de estatísticas.

Obs.: A exemplo do que aconteceu no ano passado, este post é automático, recebi por e-mail da equipe do WordPress e resolvi publicá-lo.

Un Quimera 4.0

“Se a gente falasse menos, talvez compreendesse mais…”