Arquivo mensal: maio 2010

O "acontecimento" de maio/2010

Assim como no mês passado o post dos “acontecimentos” que tradicionalmente conta com dois acontecimentos, ficará com apenas um, um acontecimento que poderia ter sido abordado bem antes e que talvez agora já tenha perdido sua importância devido a efemeridade das coisas, mas acredito que valha a pena classificá-lo como um “acontecimento”:

O Duelo de Gigantes

Sim, falo do confronto que rolou pelas Oitavas de Final da Taça Libertadores, entre os dois times de maiores torcidas do país: Flamengo e Corinthians.

Antes de mais nada quero deixar claro que não coloquei isso como acontecimento por causa da classificação do meu Flamengo, até porque se fosse pra eu querer tirar onda por causa do Flamengo hoje não poderia estar falando sério, a situação não é das melhores.

Falo porque acredito que nem eu nem ninguém tem noção do que foram esses dois confrontos, dois times de tanta expressão, brigando por algo tão valioso, esses dois jogos ficarão marcados na história do futebol e daqui a muitos anos muitos estarão falando deles, vivenciá-los foi ótimo.

O segundo jogo foi o jogo de futebol mais emocionante que eu já em toda minha vida.

Sim, o nível técnico (principalmente no primeiro jogo, devido a forte chuva que caia no Maracanã) não foi dos melhores, mas isso não tira todo o clima que cercou o jogo.

Foram duas semanas de muita expectativa e emoção para as duas maiores torcidas e para todas as outras torcidas também, falemos francamente: todos os outros confrontos que rolavam nas mesmas semanas pela Libertadores e pela Copa do Brasil foram ofuscados pelo duelo de gigantes.

Enfim, é um acontecimento que talvez só terá seu devido valor quando os avôs da minha geração para seus netos sobre como num encharcado Maracanã um raçudo Flamengo segurou o favorito Corinthians e abriu vantagem de 1 x 0 com um pênalti de Adriano e como num Pacaembu fervilhante um motivado Corinthians abriu 2 x 0 com um gol contra e um
gol do tão criticado Ronaldo e como no início do segundo tempo Vagner Love decidiu a parada para o Flamengo.

É isso, o Un Quimera volta em junho, espero eu que com mais tempo, com certeza vai rolar muita Copa do Mundo aqui no mês que vem.

Rabo de Urna #05

O quinto Rabo de Urna vem bem sucinto, pois nesse mês o blogueiro está meio sem tempo e vem falando sobre um assunto que ganhou bastante espaço na mídia nesse mês de maio.

É o Projeto Ficha Limpa, um projeto que impede a candidatura de políticos condenados pela Justiça, contou com algo em torno de 4 milhões de assinaturas.

Novas e interessantes propostas são apresentadas no projeto, que só de ser uma iniciativa popular já vale a pena, algumas das mudanças são: ampliar de três para oito anos o período em que o político fica impedido de se candidatar e passa a fiscalizar melhor os crimes dos políticos, entre outras.

Enfim, é isso, o Projeto Ficha Limpa é algo muito positivo para a democracia do nosso país e pra entender melhor fica o vídeo:

Mês que vem tem mais Rabo de Urna.

45 anos depois


Chegou ao fim ontem mais uma Liga dos Campeões da Europa, pela primeira vez a
decisão em jogo único foi disputada num sábado e depois de muito tempo (45 anos
pra ser exato) a Internazionale de Milão conseguiu o título mais importante do
futebol europeu, a equipe italiana agora é tri-campeã europeia.

O palco da decisão foi um dos melhores, Santiago Bernabeu, estádio do Real Madrid
que sonhava com a decisão em casa mas que ficou pelo caminho. Assim como os outros grandes favoritos Chelsea, Manchester United e o atual campeão Barcelona.

O interessante é lembrar que nas fases anteriores os dois finalistas (Inter e Bayern) eliminaram praticamente todos esses favoritos, a presença de ambos na final foi uma surpresa para muitos, mas pelo futebol apresentado durante toda a competição, desde a fase de grupos, ambos mereceram estar em Madrid.

Um grande jogo que teve como tônica um Bayern sempre com mais posse de bola, mas
tocando ela de lado na maioria das vezes sem muita objetividade, Van Gaal armou o time pra partir pra cima, deixando claro uma das principais características de seus times, a ofensividade, porém a defesa da Inter estava muito bem postada e Ribéry, com certeza, fez muita falta.

As jogadas quase sempre eram feitas por Arjen Robben, o holandês que foi talvez o
maior destaque do Bayern na competição e um dos grandes destaques da competição como um todo jogou como um legítimo ponta direita e deu muito trabalho pra Chivu, mas suas chegadas poucas vezes levaram real perigo ao gol de Júlio César.

Se defendendo muito bem e sabendo suportar a pressão alemã a Inter tentava chegar nos contra-ataques mas nada conseguiu durante muito tempo.

Até que saiu o primeiro gol do jogo, em uma ligação direta de Júlio César pra Milito, o argentino ajeitou de cabeça pra Sneijder que devolveu pra Milito na cara do gol, ele não costuma perder gols assim e não seria na final da Liga dos Campeões que ele ia perder, Inter 1 x 0.

Na volta para o segundo tempo pouca coisa mudou. O Bayern continuava tentando mas sem conseguir quase nada, Robben continuava sendo o mais lúcido dentro de campo e atuações apagadas de Olic e Schwensteiger contribuiram ainda mais para a Inter continuar muito tranquila na defesa.

Defendendo cada vez mais até pela vantagem no placar a equipe italiana esperava um contra-ataque para matar o jogo. E ele veio.

Novamente em jogada de Sneijder, Milito recebeu em boas condições, fez boa jogada pela esquerda deixando Demichelis sem pai nem mãe e tocou com classe na saída de Butt.

O argentino já havia marcado o gol do pentacampeonato italiano, o gol do título na Copa Itália e agora deixou de vez seu nome na história ao marcar mais esses dois decisivos gols.

Depois do segundo gol nem Robben que vinha se destacando durante a partida conseguiu mais nada, a sólida defesa da Inter continuou impenetrável até o apito final de Howard Webb.

O Bayern surpreendeu a muitos durante a competição, principalmente quando eliminou o Manchester nas quartas-de-final. Mas a equipe alemã sucumbiu à superioridade da equipe de José Mourinho.

O treinador sai como um dos grandes vencedores dessa Liga. Depois do supreendente
título com o Porto em 2003, o treinador português consegue mais um título da Liga
dos Campeões e as especulações de uma possível ida para o Real Madrid na temporada que vem ganham cada vez mais força.

Além dele o trio brasileiro da Inter também ganha muita moral pra Copa e a “internacional Inter” de argentinos, romenos, ganeses, camaroneses etc. mostra a
todos que a tríplice coroa conquistada nessa temporada não é obra do acaso. Assim como no ano passado quando o Barcelona conseguiu ganhar tudo incontestavelmente, nesse ano a Inter também tem todo esse merecimento.

A temporada europeia acaba e agora todos os olhares do mundo do futebol se voltam
para a África, a Copa promete.

QuimeraTube #10

O décimo QuimeraTube é o primeiro post desse novo design do blog.

Vou de Jards Macalé.

O cara é um ícone da MPB, pouco conhecido hoje em dia possui ótimas canções interpretadas pelos mais variados cantores e grupos musicais, ainda produz muita coisa bacana e recentemente foi lançado um filme falando sobre ele: O Morcego na Porta Principal.

Ainda não tive a oportunidade de assistir, mas a vontade existe.

A música que eu mando é Anjo Exterminado, do seu ótimo álbum de 1974, Aprender a Nadar.

A voz e o violão de Macalé são únicos.

QuimeraShare #05


O quinto QuimeraShare, só pra variar um pouquinho, continua em solo brasileiro.

Dessa vez lá no Rio Grande do Sul, onde vou buscar o que é pra mim o melhor CD, da melhor banda daquele estado.
Filmes de Guerra, Canções de Amor dos Engenheiros do Hawaii.
A banda que surgiu nos anos 80 já teve várias formações, mas a alma dela está concentrada na pessoa de Humberto Gessinger.
São canções, letras e ideias que influenciaram toda uma geração e hoje em dia ainda influenciam muito. Eu sou um desses influenciados pelas ideias “gessingerianas”, fui a um show dos caras em 2008 e curti demais!
O álbum em específico contém 12 canções das quais não dá pra passar sem escutar nenhuma.
Os meus maiores destaques são: O Exército de Um Homem Só, que ganhou um arranjo de cordas todo especial nessa versão, Muros e Grades, que é um tanto quanto visionária e reflete muito da sociedade de hoje em dia, Alívio Imediato, a minha versão preferida dentre todos os Alívios é essa e Realidade Virtual que fecha o álbum de maneira magistral.
No mais é isso, acho que a nata de todos os tempos da banda está reunida nesse álbum, só seria melhor se tivesse também um Piano Bar no meio.
“Não há nada de concreto entre nossos lábios só um muro de batom e frases sem fim é que tudo se divide, todos se separam, uma república no pampa, com pompa e circunstância, um muro nos divide uma grade nos separa.”
Baixa aí o quinto QuimeraShare:

Sawubona #05

Bem, hoje é o dia do último Sawubona. Afinal, no mês que vem a tão esperada Copa do Mundo da África já vai começar e aí ao invés dos Sawubonas entrarei com posts mais específicos sobre os jogos que forem rolando.
E pra fechar a série, depois de falar sobre os estádios, os times africanos e alguns dos principais concorrentes da Seleção Brasileira, como Itália, Portugal e Alemanha, falo hoje da nossa seleção, com enfoque maior na convocação definitiva de Dunga feita hoje mais cedo.
Uma pequena análise posição por posição, vale lembrar que eu não sou nenhum grande especialista e vou apenas dar a minha opinião.
GOLEIROS
Júlio César (Inter de Milão)
Gomes (Tottenham)
Doni (Roma)
Bom, é indiscutível a titularidade de Júlio César, terceiro goleiro da Seleção na Copa da Alemanha, ele evoluiu muito nos últimos 4 anos, tornou-se uma das principais peças da Inter de Milão e também fez atuações sólidas com a camisa da Seleção, é hoje um dos melhores goleiros do mundo, se não o melhor.
Já as convocações de Gomes e Doni, ao meu ver são muito questionáveis, pouco utilizados na Seleção (até porque Júlio não deu brechas para isso), ambos são bons goleiros, mas não se encaixam naquele perfil clássico de goleiro reserva pra Copa do Mundo, o ideal é um goleiro muito experiente para ajudar o grupo e um bem mais jovem para já se preparar para a Copa seguinte, nenhum dos dois são muitos jovens nem muito experientes, dificilmente algum
deles aparecerá na Copa de 2014 e enquanto Doni é reserva da Roma, Gomes joga pelo Tottenham, que convenhamos, apesar do bom momento não é lá um grande time. Acredito que dentro do futebol brasileiro existem melhores nomes como Victor do Grêmio e Fábio do Cruzeiro.
LATERAIS
Maicon (Inter de Milão)
Daniel Alves (Barcelona)
Michel Bastos (Lyon)
Gilberto (Cruzeiro)
Dos 4, apenas Gilberto disputou a Copa de 2006.
Pela direita Maicon e Daniel Alves são pra mim um dos pontos mais fortes dessa Seleção. Tanto defensiva quanto ofensivamente ambos são muito bons e viveram ótimos momentos nesses últimos quatro ano dentro e fora da Seleção, a versatilidade de Daniel de também jogar pelo meio é interessante.
Já na esquerda, talvez a posição mais testada e a que menos se chegou a uma conclusão, Dunga levou dois jogadores que já não atuam mais como laterais em seus clubes, tanto Michel Bastos no Lyon quanto Gilberto no Cruzeiro são meio-campistas que não se preocupam tanto defensivamente. A habilidade de Michel e a experiência de Gilberto, aliadas à falta de nomes para a posição acabaram levando ambos para a Copa, acredito ter sido uma boa escolha de
Dunga, embora pense que se Filipe Luís do La Coruña não tivesse se lesionado com tanta gravidade no início do ano uma das vagas deveria ser dele.
ZAGUEIROS
Lúcio (Inter de Milão)
Juan (Roma)
Luisão (Benfica)
Thiago Silva (Milan)
Em relação à Copa de 2006 apenas uma mudança: Thiago Silva no lugar de Cris.
Realmente não tinha muito o que mexer nessa zaga, a dupla Lúcio e Juan foi o grande destaque da Seleção na fraca campanha na Copa da Alemanha e mantiveram o bom futebol nos anos seguintes, o que incomoda são as constantes lesões de Juan, por isso a necessidade de bons reservas.
Luisão já tem experiência e não vem comprometendo no Benfica, já Thiago Silva é uma aposta de Dunga, uma das melhores na minha opinião, depois de ótimas apresentações no Fluminense em 2008 e 2009 ele chegou ao Milan e já vai ganhando seu espaço no rubro-negro da velha Bota. Não vejo o que contestar em relação à zaga escolhida por Dunga.
MEIO-CAMPISTAS
Felipe Melo (Juventus)
Gilberto Silva (Panathinaikos)
Josué (Wolfsburg)
Elano (Galatasaray)
Ramires (Benfica)
Kléberson (Flamengo)
Júlio Baptista (Roma)
Kaká (Real Madrid)
Muitas mudanças em relação a última Copa, permanecem apenas Gilberto Silva e Kaká.
No ataque as contestações à Dunga pioram mas aqui no meio campo muita coisa já não é tolerada por grande parte da toricda brasileira.
Felipe Melo foi um achado de Dunga e é mais uma de suas apostas, é inegável que fez boas partidas e não foi atoa que a Juventus o trouxe da Fiorentina, acredito que merece sim a vaga, mas jogando por Flamengo, Cruzeiro e Grêmio não fez nada de extraordinário.
Gilberto Silva vai a Copa definitivamente por sua experiência, todos sabem que o seu futebol não é o mesmo dos tempos de Atlético/MG e Arsenal, é questionável sua convocação, pra mim uma melhor escolha para a posição seria Lucas do Liverpool.
Josué é mais uma das apostas de Dunga, e considero essa uma aposta muito infeliz! Pra ser sincero não acompanho o futebol dele na Alemanha, mas pela Seleção não vi nada de execpcional, o futebol dele me parece muito burocrático, não combina em nada com Seleção Brasileira. São volantes até demais, por que não arriscar e dar mais uma chance pra Ronaldinho Gaúcho?
Elano é um homem de confiança de Dunga, o interessante é sua versatilidade, pode ser muito útil dentro de uma Copa do Mundo, merece a vaga pelas boas aparições com a amarelinha nesses últimos 4 anos.
Ramires jogou muita bola em sua passagem pelo Cruzeiro e acabou sendo convocado somente quando já estava indo para o Benfica, no clube português vem ganhando espaço e fazendo jus à vaga, mas o grande mérito de Ramires foi a Copa das Confederações, ele foi um dos maiores destaques do Brasil nessa competição e ali cravou sua vaga para a Copa. Justa e merecida.
Kléberson é outro nome muito contestado. Na Copa de 2002 foi fundamental, depois passou por períodos ruins na Europa atuando (tentando) no Manchester e no inexpressivo Besiktas da Turquia. Voltou para o Flamengo no fim de 2007 e jogou muita bola até 2009, quando sofreu uma contusão jogando pela Seleção e só voltou aos gramados em 2010. Nesse ano é evidente que o camisa 15 do Flamengo não jogou nada, mas seu histórico pesa nesse momento e a bola
que ele enfiou para Vagner Love marcar o gol da classificação rubro-negra às quartas da Libertadores também, acho válida sua convocação.
Júlio Baptista ganhou muita confiança de Dunga, principalmente pela Copa América de 2007, tem muita força física e também joga em várias posições, mas acho que Elano já é o suficiente para isso, a convocação de Júlio talvez não tão contestada por muitos, pro mim é. Não acho que ele deveria ir à África, pra mim nessa hora era a vez de Dunga surpreender e levar o tão pedido Ganso. O moleque do Santos vive um ótimo momento e é um camisa 10 legítimo, coisa que essa Seleção não tem.
Kaká é o craque do time. Indiscutível a convocação dele, merece muito ir e ser o “dono” dessa Seleção. Só o que incomoda é o seu passado recente, jogando pelo Real ele não conseguiu mostrar o seu irresistível futebol da época de Milan, porém acredito que ele tem plenas condições de modificar isso.
ATACANTES
Robinho (Santos)
Luís Fabiano (Sevilla)
Nilmar (Villareal)
Grafite (Wolfsburg)
O único remanescente da Copa de 2006 é Robinho. Ele foi talvez o grande nome da Era Dunga até 2009, depois de se transferir para o Manchester City não conseguiu mostrar seu bom futebol e então no começo de 2010 resolveu voltar para o Santos, uma decisão muito bem feita pois no Alvinegro da Vila, Robinho voltou a jogar bem e ao lado de Neymar, Ganso e cia. vem fazendo um primeiro semestre quase perfeito, merece ir à África e melhorar a imagem ruim que ficou em 2006.
Luís Fabiano é outra decisão quase incontestável de Dunga. Ele cresceu muito nesses últimos 4 anos, tanto no Sevilla quanto na Seleção, fez muitos gols e gols importantes, artilheiro da Copa das Confederações e homem de confiança de Dunga.
Nilmar teve um período parecido com o de Robinho onde não conseguiu demonstrar seu bom futebol jogando na Europa, voltou ao Internacional e conseguiu recuperar sua vaga na Seleção, no final do ano passado transferiu-se para o Villareal e continuou bem lá, fez muitos gols nos últimos jogos pela Seleção e garantiu sua merecida vaga.
Grafite foi a grande surpresa de Dunga. Sim, ele vem fazendo muitos gols pelo Wolfsburg e desde a época de Goiás já era um centroavante muito bom, tem seus méritos. Mas o Brasil conta com nomes infinitamente superiores na minha opinião e digo mais, a não-convocação de Adriano foi mais por mídia do que pelo futebol apresentado.
Adriano não vem jogando bem pelo Flamengo nesses últimos meses, mas foi essencial para o conquista do Brasileirão 2009 e também vinha correspondendo com a camisa da Seleção, ele é matador, muito forte fisicamente e pode decidir um jogo a qualquer momento, coisa que Grafite não faz sempre.
Parece que a parte podre da mídia esportiva conseguiu o que queria. Adriano errou muito e seus próprios erros também o tiraram da Copa, mas toda essa pressão negativa da imprensa foram essenciais na minha opinião.
Discordando em algumas posições concordando plenamente em outras, essa é a minha análise da convocação de Dunga, agora é esperar começar a Copa de vez, faltam apenas 30 dias, o Un Quimera estará muito ativo nessa Copa do Mundo.

QuimeraTube #09

O primeiro QuimeraTube do mês de maio vem com um clássico.

Tô escutando e viajando muito nessa música, dá até pra relacionar com outra, Lenha de Zeca Baleiro, mas falo de Light My Fire.
A famigerada canção é de um dos maiores astros do rock, o xamã do século XX, Jim Morrison. Acho que maiores apresentações e adjetivações são dispensáveis, pretendo mandar um post falando mais sobre Morrison e o The Doors.
Por hoje fica só o vídeo.
“C’mon baby Light My Fire!”

Game Over


Pouco falei sobre o Liverpool nos últimos tempos aqui no Un Quimera.

Abro o mês de maio com esse post falando sobre os Reds, até porque hoje a temporada terminou de vez.
Temporada essa que merece ser esquecida.
Primeiro veio a eliminação ainda na fase de grupos da Liga dos Campeões. Depois constantes derrotas na Premier League tiraram o Liverpool da briga pelo título muito cedo.
A única esperança era a Liga Europa. Depois de bater Unirea Urziceni, Lille e Benfica e chegar as semi-finais para enfrentar os Rojiblancos de Madrid o Liverpool acabou eliminado na última quinta, mesmo vencendo em Anfield por 2 x 1, o jogo de ida em Madrid tinha sido 1 x 0 para os donos da casa e o critério dos gols marcados fora de casa prevaleceu.
E hoje, após as vitórias de Tottenham e Manchester City ontem, o Liverpool tinha que vencer o líder Chelsea para continuar sonhando com uma vaga na próxima Liga dos Campeões. Acabou perdendo por 2 x 0 (gols de Drogba e Lampard) e ficando longe talvez até de uma vaga na Liga Europa.
Ou seja, tudo de ruim que poderia ter acontecido para o Liverpool nessa temporada aconteceu. Vale lembrar também que durante toda a temporada foram inúmeros erros de arbitragem contra os Reds, inúmeras contusões de jogadores importantíssimos como Gerrard e Torres além de vários problemas extra-campo também.
A incessante pressão pra cima de Benítez e o fim da Era Hicks-Gillett.
Com Liga Europa ou não a próxima temporada é uma temporada de “reciclagem” para o Liverpool, começar tudo de novo mesmo, sem medo de ser feliz!
A permanência de Rafa é incerta, embora não acredite que ele seja o principal culpado dessa má fase (pelo contrário, na verdade foi Rafa quem possibilitou ao Liverpool sonhos e conquistas maiores nessas 6 últimas temporadas), a saída dele pode acontecer.
Outras saídas que se especulam também seriam ruins, como é o caso de Alberto Aquilani. O italiano acabou de chegar em Anfield, ainda não teve tempo o suficiente para encontrar um lugar certo nesse time que passou por muitas turbulências nessa temporada, potencial ele tem demais e sua saída seria uma grande perda para os Reds.
Existem também as especulações de contratações como Carlton Cole, Rafael Van Der Vaart, Raúl e por aí vai. A necessidade de melhores peças de reposição, principalmente no ataque é visível, contratar seria interessante.
Enfim, com muita coisa ainda incerta, o certo é que a temporada 2009/10 foi uma das piores na história do Liverpool e que a temporada 2010/11 pode ser totalmente o contrário dela, por que não voltar a conquistar essa Premier League?
YOU’LL NEVER WALK ALONE!