Os "acontecimentos" de junho/2009

Esse mês que marca o meio do ano foi um mês cheio de acontecimentos, como os posts “acontecimentos” são mensais e sempre no último dia do mês, conforme vão acontecendo as coisas durante o mês já vou esboçando o post e pra ser sincero, o desse mês era pra ser: O desastre do Air France e As Eleições no Irã, mas como o desastre do Air France na verdade ocorreu nas últimas horas do mês de maio e o assunto do Irã pode ser tratado mais a frente, optei por colocar estes outros 2 acontecimentos:
O Fim do Diploma de Jornalismo

No dia 17, o Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu pelo fim da obrigatoriedade do diploma para o curso de jornalismo.
Curso esse que considero de extrema importância, sempre quis ser jornalista e ainda quero muito, esse “acontecimento” seria indispensável.
Por 8 votos a 1, os ministros do Supremo podem ter mudado a história. Uma profissão que exerce influência na opinião pública em todas as áreas, o relator do processo, ministro Gilmar Mendes sacramentou a decisão dizendo que o fato de um jornalista ser graduado não significa mais qualidade aos profissionais da área.
Procurei me informar sobre o assunto e, principalmente pela internet, vi opiniões das mais diversas, alguns totalmente a favor do fim do diploma como a Associação Nacional dos Jornais (ANJ) e alguns totalmente contra, como a Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ).
Fora do mundo da web, achei muito interessante o Observatório da Imprensa do lendário Alberto Dines, exibido uma semana atrás (23/06), um ótimo debate mostrando os dois lados da moeda, que me ajudou muito a compreender toda essa situação.
Essa decisão, no mínimo polêmica por parte do STF, como já disse, pode alterar muitas coisas dentro das universidades e do mercado de trabalho, boa ou ruim, acredito que seus verdadeiros resultados virão somente a longo prazo, por enquanto muita coisa não deve mudar.
Já existem muitas redações com não diplomados, que são especialistas em um certo assunto e por isso escrevem, casos como esse devem aumentar muito com o fim da obrigatoriedade do canudo.
Porém, as empresas de comunicação não deverão trocar o certo pelo duvidoso quando se tratar de jovens jornalistas, ou seja, dificilmente alguém sem nenhum ou quase nenhum embasamento jornalístico será contratado em detrimento de um jornalista com uma bagagem de quatro anos de universidade.
Foi tudo muito rápido, e devido a essa mudança, cheguei até a cogitar uma mudança de curso no vestibular que vou prestar esse ano, mas pensando bem, gosto mesmo é de jornalismo, e nem que seja para a minha geração ter de reinventá-lo e adaptá-lo a esse novo mundo, virtual, globalizado e não diplomado, não cheguei até aqui pra desistir agora.
A Morte de Michael Jackson
Esse acontecimento é de longe o que teve maior repercussão de todos já falados aqui no Un Quimera.
Era uma quinta-feira, chegava em casa a noite, cansado e quando ligo o computador só pra dar uma olhada na net, tá lá estampado em todas as manchetes de quase todos os sites: Morre o Rei do Pop.
Juro que a princípio não acreditei, além de tudo mais que ainda vou comentar, a morte de Michael Jackson foi inesperada, com apenas 50 anos um dos cantores mais influentes do século XX morreu.
Sinceramente nunca escutei muito o som de Michael Jackson, mas quando escuto dá pra sentir que é algo diferente, em especial duas canções que já escutei demais por causa de Festivais Escolares: Thriller e Beat It, a primeira com certeza é a mais famosa música de Michael, a segunda nem tanto, mas também é muito boa.
O que é incrível também são as coreografias, antes de mais nada o próprio Michael dá uma verdadeira aula quando as executa, e depois vem o impacto dessas coreografias no mundo inteiro, quem nunca dançou como um zumbi do clip de Thriller?
Além dessas, várias outras músicas e coreografias de Michael foram sucesso mundial, como Black Or White, a “brasileira” They Don’t Care About Us, Bad, Billie Jean, Dangerous dentre outras.
Mas além das músicas Michael também ficou conhecido por várias outras coisas: a mudança de cor, os vários processos, as acusações de pedofilia, tudo isso contribuiu para que sua imagem diante da grande mídia e do grande público ficasse um pouco denegrida, mas na verdade Michael foi um gênio da música pop, nenhum outro conseguirá tanta coisa como ele conseguiu, vá em paz Michael!
E nada melhor do que um Moonwalk ao som de Billie Jean pra fechar o post:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: